quinta-feira, 19 de maio de 2011

O que são Foranias? Vicariatos? Dioceses? Você sabe?



Você conhece a organização eclesiástica e administrativa da Igreja? 
Para a melhor organização administrativa e pastoral a Igreja Católica Apostólica Romana possui uma estrutura feita com subdivisões, onde cada uma delas possui determinadas funções confiadas a um presbítero (padre) que exerce, em nome do Papa, a coordenação de todas as atividades. Resumidamente, percebemos as seguintes províncias eclesiásticas:

Como já foi dito, cada uma possui funções determinadas e um representante da Igreja exercendo o papel de liderança, tanto para a ação pastoral quanto para eventuais dificuldades relacionadas à Doutrina e a Administração. Em termos gerais podemos explicá-las da seguinte maneira:
ARQUIDIOCESE – É a província eclesiástica que abrange todas as dioceses de uma região. Quem a governa e a preside é o bispo mais importante: o Metropolita, que, a partir do ano de 1301, passa a se chamar Arcebispo (bispo que possui a missão de ser chefe espiritual e de jurisdição da Arquidiocese ou também chamada Metrópole). Podemos dizer que a Arquidiocese é a Diocese do Arcebispo. Cada arquidiocese possui uma “Catedral”, local onde se encontra a “cátedra” – cadeira – do Arcebispo. Na paramentação litúrgica, o arcebispo metropolita distingue-se pelo uso do pálio (Tem a forma de uma faixa circular que carrega sobre os ombros e da qual pendem ante o peito e nas costas duas atiras retangulares, tudo de lã branca, se destacando dela seis cruzes de seda negra ou vermelha).
DIOCESE – É a circuncisão eclesiástica dirigida pelo bispo. Ela é também chamada de Bispado. O Código do Direito Canônico, no nº 369, afirma que a diocese é a “porção do povo de Deus confiada a um bispo”. Lá existe a Cúria Diocesana, ou seja, o conjunto de organismos com os quais o bispo governa pastoralmente. Os bispos têm como investiduras o Anel (simbolizando seu casamento com a Igreja, sua Diocese) e oBáculo (lembra um “cajado” - simbolizando o pastor de sua Diocese). Os bispos são sucessores dos Apóstolos como pastores da Igreja, mensageiros do Evangelho de Cristo. Também são chamados de Sufragâneos.
VICARIATO – Dentro de cada diocese existem um ou mais Vicariatos. Os Vicariatos episcopais são um instrumento evangelizador mais descentralizado. Colaboram para o atendimento às exigências da ação evangelizadora em cada grande área geográfica ou ambiental, organizando melhor o trabalho e as relações pastorais. Já os Vicariatos territoriais, por sua vez, são divididos em áreas pastorais menores, designadas pelo Código de Direito Canônico como foranias, que agrupam algumas paróquias. O vigário episcopal (presbítero colaborador do bispo), nomeado pelo Arcebispo, que formará a Coordenação do Vicariato, com os representantes das foranias. Cada Vicariato enviará representantes para comporem a Coordenação Arquidiocesana de Pastoral. Os vigários episcopais cultivam uma estreita relação pastoral com o arcebispo, na medida em que colaboram com o governo pastoral da Arquidiocese. Eles multiplicam e difundem o próprio ministério do arcebispo.
FORANIA – É um grupo determinado de paróquias dentro de um Vicariato. Cada forania é confiada a umvigário forâneo (título dado pelo bispo a um grupo de padres dentro de um Vicariato). Essa união de diversas paróquias mais próximas territorialmente favorece o trabalho pastoral mediante uma ação em comum. Os padres forâneos são eleitos pelos representantes das paróquias (párocos e vigários) por 2 anos, que por sua vez, representam aquele território, ou seja, a forania junto ao conselho presbiteral.
PARÓQUIA – É uma comunidade dentro da Diocese entregue aos cuidados pastorais e administrativos de um presbítero que recebe o título de pároco. Antigamente eram chamada de “Freguesias”. Ele deve trabalhar em comunhão com a diocese, as lideranças pastorais e os demais fiéis batizados. Além do pároco, também vemos a atuação do vigário paroquial (sacerdote que o bispo diocesano nomeia para coadjuvar um pároco no exercício do seu ministério pastoral). Só os padres podem ser párocos, mas numa paróquia pode haver também um diácono que trabalha com o pároco e o vigário.  Além das pessoas, uma paróquia tem sempre um território e uma igreja principal, chamada igreja paroquial. Pode ter outras igrejas menores, chamadas de ermidas ou capelas.
CAPELA – Antigamente chamadas de “ermidas”, é uma pequena comunidade numa região administrada por uma Paróquia. Além do Culto a Deus, podem-se realizar casamentos e os demais sacramentos, além das atividades sociais e pastorais. 
Bem, agora que você já conhece as explicações sobre essas regiões, abaixo você terá um exemplo claro dessa divisão no Estado do Rio de Janeiro:
  • Arquidiocese e Diocese
Província Eclesiástica de São Sebastião do Rio de Janeiro (fundada em 1892) 
Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro (Rio de Janeiro)

Diocese de Barra do Piraí - Volta Redonda 
Diocese de Valença 
Diocese de Itaguaí 
Diocese de Nova Iguaçu 
Diocese de Duque de Caxias

Província Eclesiástica de Niterói (fundada em 1960) 
Arquidiocese de Niterói (Rio de Janeiro)

Diocese de Nova Friburgo 
Diocese de Campos 
Diocese de Petrópolis

  • Diocese e vicariatos
Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro (Rio de Janeiro) possui os seguintes Vicariatos:
Episcopal Jacarepaguá 
Episcopal Leopoldina 
Episcopal Norte 
Episcopal Oeste 
Episcopal Suburbano 
Episcopal Sul 
Episcopal Urbano

  • vicariatos, foranias e paróquias
Como exemplo, cito o Vicariato Leopoldina (representado pelos bairros: Bonsucesso, Ilha do Governador, Cordovil, Higienópolis, Jardim América, Olaria, Parada de Lucas, Pavuna, Penha, Penha circular, Ramos, Vigário Geral, Vila da Penha, Vista Alegre...) possui cinco foranias, dentre as quais a Ilha do Governador é membro da 1ª Forania com as seguintes paróquias:
Paróquia Nossa Senhora da Ajuda
Paróquia São Sebastião
Paróquia São José Operário
Paróquia Sagrada Família
Paróquia Nossa Senhora do Loreto
Paróquia Nossa Senhora Aparecida

  • paróquias e capelas
 A paróquia Nossa Senhora da Ajuda, por exemplo, possui apenas três capelas:
Igreja de Santo Antônio
Igreja de São Pedro
Igreja do Menino Jesus de Praga

spero que suas dúvidas tenham sido esclarecidas, pois conhecer a estrutura administrativa da Igreja Católica é fundamental para os fiéis poderem compreender a ação do Clero e poder ajudar com a difusão da fé cristã.



Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa