segunda-feira, 4 de julho de 2011

O amor do Pai


Deus revelou-Se no Antigo Testamento como o Ser por excelência: “Eu sou Aquele que sou” (Ex 3,14); e no Novo Testamento revelou a natureza profunda e intrínseca do Seu ser: “Deus é amor” (1Jo 4,16).

Deus é amor na sua vida íntima e, porque é amor, é também Trindade: é Pai, porque gera o Filho e Lhe confere toda a Sua natureza e vida divina; é Filho porque se dá totalmente ao Pai; é Espírito Santo, porque procede do amor e do dom recíproco entre o Pai e o Filho. Deus é também amor fora de Si, nas Suas obras: é amor na criação de todos os seres que livremente chama à vida, e, sobretudo, na criação do homem que fez à Sua imagem e semelhança (Gn 1,26).
 


Mas Deus manifesta mais o Seu amor, quando eleva o homem do seu estado de simples criatura ao estado de Seu filho: “Vede com que amor nos amou o Pai, ao querer que fossemos chamados filhos de Deus. E, de fato, somo-lo” (1Jo 3,1). Não se trata, pois, de um título honorífico ou simbólico, de “uma maneira de falar”, mas de uma realidade sublime, de uma nova “maneira de ser”, por meio da qual o homem é profundamente transformado e feito participante da natureza e da vida de Deus, isto é, do ser de Deus que é amor.
 

O homem entra assim, a fazer parte da família de Deus: é amado por Deus, seu Pai, e é, por sua vez, capaz de amá-Lo como filho, porque Deus infundiu nele o Seu amor. “Vós não recebestes um espírito de escravidão – exclama S. Paulo - recebestes, pelo contrário, um espírito de adoção, pelo qual chamamos: Abba, Pai. O próprio Espírito atesta em união com o nosso espírito que somos filhos de Deus” (Rom 8, 15-16).
 

O filho não pode ter uma natureza diferente da do Pai: Deus é amor, por isso infundiu no homem o Seu amor, para que também ele seja amor. “Deus revelou a forma – infalível, perfeita e definitiva – como quer ser conhecido” (Paulo VI, Eclesiam suam), isto é, com amor que é o nosso mandamento supremo.

“Deus é caridade e quem permanece na caridade, permanece em Deus e Deus nele” (1Jo 4,16). Ora Deus difundiu a Sua caridade nos nossos corações, por meio do Espírito Santo que nos foi dado. Sendo assim, o primeiro e mais necessário dom é a caridade com que amamos Deus sobre todas as coisas e ao próximo por amor d’Ele.
 

A virtude da caridade é a participação criada no amor infinito, por meio do qual Deus Se ama a Si mesmo, ou seja, participação do amor com que o Pai ama o Filho, e o Filho ama o Pai e ambos Se amam no Espírito Santo. Pela caridade, o cristão é chamado a “permanecer em Deus” (1Jo 4,16) e a entrar no círculo do amor eterno que une entre Si as três Pessoas da Santíssima Trindade.
 

Se a Fé, ao tornar o homem participante do conhecimento que Deus tem de Si próprio, o introduz na intimidade da vida divina, a esperança garante-lhe que partilhará um dia da felicidade eterna. Mas, a caridade vai mais longe, porque o enxerta já nesta vida, no inefável movimento de amor que é a vida da Santíssima Trindade. Por meio da caridade, o cristão mora em Deus, a ponto de ficar associado ao amor do Pai para com o Filho e do Filho para com o Pai, amando o Pai e o Filho no Espírito Santo.

E, como o amor divino não fica encerrado no seio da Trindade, mas derrama-se d’Ela sobre todos os homens, também a caridade imprime um impulso semelhante ao cristão, abrindo o seu coração ao amor de todos os irmãos. Somente por meio da caridade, que o faz participante do amor de Deus, é que o cristão se torna capaz de “amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo por amor de Deus”.
 

A caridade só é completa quando sobe a Deus, abrangendo por Ele e n’Ele todas as criaturas. Em Deus o amor é um só: na Sua vida íntima e nas suas relações com os homens, no cristão a caridade é única e indivisível: no seu relacionamento para com Deus e no seu impulso para com os irmãos. “D’Ele temos este Mandamento: Quem ama a Deus, ama também o seu irmão” (1Jo 4,21).

Pe. Gabriel de S. Maria Madalena, O.C.D.
in:Intimidade Divina - Meditações, Ed.Carmelo

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa