quarta-feira, 4 de março de 2015

2º Congresso Nacional de Seminaristas abordará a formação missionária

Com o objetivo de animar e aprimorar a formação missionária dos futuros presbíteros para um autêntico espírito missionário, será realizado, de 9 a 12 de julho, o 2º Congresso Missionário Nacional de Seminaristas, na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC), em Belo Horizonte (MG). O tema proposta é “O missionário presbítero para uma Igreja em saída” e lema “Ide sem medo para servir”.
O evento é organizado pelas Pontifícias Obras Missionárias (POM) e espera reunir mais de 300 participantes entre seminaristas, reitores de seminários, formadores, bispos e convidados. As vagas serão distribuídas, em breve, por meio dos Conselhos Missionários Regionais (Comires).
Missão no coração

O cartaz do 2º Congresso acaba de ser lançado. A imagem de um jovem sobressai do globo entre os mapas dos continentes. Os traços ligam o corpo do jovem presbítero ao mundo, indicando a realidade onde deve viver sua missão. O cartaz contém as cores missionárias dos continentes (vermelho, amarelo, verde, azul e branco) que, somados ao globo e ao mapa, simbolizam a missão universal, em que as Igrejas locais estão convocadas a cooperar.
A ideia original do cartaz é do seminarista Silas de Oliveira da Comunidade de Ação Pastoral, em Pouso Alegre (MG) e, a arte final, de Wesley T. Gomes, designer das POM.
CNBB com informações das POM.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa