sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Bolo de Chocolate de Liquidificador com Mousse de Maracujá

Dois doces deliciosos na mesma receita

Publicado em 28/1/2009

Ingredientes da massa
1 xícara (chá) de leite morno(a)
3 unidades de ovo
4 colheres (sopa) de margarina derretida

2 xícaras (chá) de açúcar
1 xícara (chá) de chocolate em pó
2 xícaras (chá) de farinha de trigo
1 colher (sopa) de fermento químico em pó

Ingredientes
do mousse
1 lata de leite condensado
1 lata de creme de leite
1 copo de suco de maracujá

Ingredientes da cobertura
1 lata de leite condensado
1 colher de margarina s/ sal
3 colheres de chocolate em pó
Chocolate
granulado ou raspado

Modo de preparo da massa
Bata bem todos os ingredientes da massa no liqüidificador. Coloque em uma fôrma quadrada, untada com manteiga e polvilhada com farinha de trigo. Asse por cerca de 40 minutos em forno médio (180ºC), pré-aquecido.

Modo de preparo do mousse
Bata tudo no liquidificador e reserve na geladeira enquanto o bolo assa.
Montagem
Corte o bolo no meio e umedeça um pouco com leite. Coloque o mousse no meio, cubra com a outra metade do bolo e use o brigadeiro como cobertura. Use o granulado ou as raspas para enfeitar.

Cobertura
Aqueça todos os ingredientes no fogo, mas não deixe endurecer muito. Pode-se adicionar leite para deixar mais cremoso.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa