sábado, 11 de setembro de 2010

Nhoque de mandioquinha

Ela substitui as batatas, dando um sabor mais exótico ao prato

Receita 1:
Ingredientes 
-500ml de água para cozinhar a mandioqinha (não jogar a água fora) 
-1 1/2 quilo de mandioquinha (cozida e amassada) 
-250ml de leite -2 colheres (sopa) de margarina 
-1 colher (sopa) de óleo -1 ovo (batido ligeramente) 
-1 caixa de creme de leite com soro 
-1 colher (café) de glutamato monossódico -sal (a gosto) 
-500 a 600 gramas de farinha de trigo -molho de sua preferência 
Modo de preparo 
Misture a água, mandioquinha cozida e amassada, leite, margarina, sal, glutamato monossódico e óleo. Deixe levantar fervura e acrescente o creme de leite e, logo em seguida, a farinha de uma vez. Mexa até a massa desgrudar da panela. Cuicado para não deixar empelotar. Misture o ovo e sove bem a massa em uma pedra. Corte-os e cozinhe em àgua fervente com um fio de óleo e sal.
Receita 2:

Ingredientes 
-2 gemas 
-1 colher de sopa de manteiga 
-100g de farinha de trigo 
-1 quilo de mandioquinha 

Modo de preparo 
Descasque a mandioquinha. Depois de cozida, deixe escorrer bem e passe no processador. Junte os ingredientes e faça a massa. Faça rolinhos, passe na farinha e corte em pedaços de 2cm. Colocar os nhoques em água fervente e retirar quando estiverem cozidos. 

Receita cedida por Chef Alessandra Carolina

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa