quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Senhor Onde Estais?

Senhor meu Deus ensinai ao meu coração onde e como vos procurar, onde e como vos encontrar.
Senhor se não estais aqui, se estais ausente, onde vos procurarei? E se estais em toda parte por que não vos encontro presente? É certo que habitais numa luz inacessível, mas onde está essa luz e como chagarei a ela? Quem me conduzirá e nela me introduzirá, para que nela eu vos veja? Nunca vos vi,  Senhor meu Deus, não conheço a vossa face!

Que podes fazer, altíssimo Senhor, que pode fazer este exilado longe de vós? Que pode fazer este vosso servo, sedento do vosso amor, mas tão longe da vossa presença? Aspira ver-vos, mas vossa face se esconde inteiramente dele. Deseja aproximar-se de vós, mas vossa morada é inacessível. Aspira encontrar-vos, mas não sabe onde estais. Tento procurar-vos, mas desconheço a vossa face.
Senhor, vós sois o meu Deus, o meu Senhor. Vos me criastes e redimistes, destes-me todos os meus bens e ainda não vos conheço. Fui criado para vos ver e ainda não fiz aquilo para que fui criado...
Ensinai-me a vos procurar e mostrai-vos quando vos procuro: pois não posso procurar-vos se não me ensinais, nem encontrar-vos se vos mostrais. Que desejando eu vos procure, procurando vos deseje, amando vos encontre e encontrando vos ame.
(Do “Proslógion”, de Santo Anselmo)


Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa