quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Dia Nacional da Juventude


Se observarmos bem sutilmente, no dia-a-dia, diante das lutas e dificuldades, nos firmamos somente no negativo: eu não posso; eu não consigo; nada dá certo na minha vida; sou um azarado; não tenho sorte; eu nasci para ser infeliz; sou feio; sou burro... 

Precisamos adotar a partir de hoje, uma nova postura e uma nova linguagem, diante das situações! É importante que, em tudo, demos graças a Deus. Se perceber em mim, generosidade, devo agradecer a Deus; se conseguir ser fiel, devo agradecer a Deus; se me empenhar no trabalho e me esforçar, louvo o meu Deus; se for servo, se for paciente, se souber ouvir e acolher as pessoas, devo tudo a Ele. É pelo exercício de nossas qualidades que o Senhor vai trabalhando em nossa transformação. 

Quanto mais nos aproximarmos de Deus amor, mais ganharemos em auto-estima, pois vamos percebendo o quanto somos estimados por Ele e o quanto Ele nos ama. 

"Pelo fato de valeres muito aos meus olhos, de teres peso e de eu te amar; dou, pois, homens em troca de ti, populações em troca da tua pessoa" ( Is 43,4). 

Ninguém foi criado por Deus para nada, e, muito menos, para ser infeliz. Só podemos experimentar esta verdade, quando abrirmos o coração para o amor de Deus. 
O dia que temos para fazer esta experiência é hoje, e não podemos deixar passar. 

Peçamos hoje, esta graça ao Senhor: ''Eu quero, Senhor, experimentar-Te hoje na minha vida, e abro as portas do meu coração para que faças uma obra nova''. 

Jesus, eu confio em vós!

Luzia Santiago 

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa