domingo, 24 de abril de 2011

Páscoa: a celebração da vida.


Padre Reginaldo Manzotti
A Páscoa, comemorada todos os anos com grande fervor pelos cristãos, é a maior festa da cristandade. Seu significado hebraico é passagem. A data é a celebração da Ressurreição de Jesus Cristo após a sua crucificação e representa a esperança na vida eterna. 

A ideia de passagem da Páscoa não é apenas uma referência à passagem de Cristo da morte à ressurreição. Também faz referência a algumas celebrações pagãs e outras judaicas, como a passagem do inverno para a primavera e a passagem de libertação dos judeus escravizados no Egito, tudo isso antes mesmo do tempo de Jesus Cristo.
A Páscoa é comemorada no domingo seguinte à primeira lua cheia da primavera do hemisfério norte, sempre depois de 21 de março e antes de 24 de abril. A celebração da Páscoa vai além da Semana Santa, ela inicia aqui e vai até fim de Pentecostes, a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos.
No cristianismo, a Páscoa vai comemorar exclusivamente a Ressurreição de Cristo, por isso esta data é tão importante e deve ser vivida fervorosamente. Em 2011, a Páscoa acontece no dia 24 de abril. A Páscoa é o ápice de uma série de eventos que começa na Quinta-feira Santa, passa pela Sexta e Sábado Santos e termina com o Domingo de Páscoa, a chamada Semana Santa.
Quaresma: o tempo quaresmal se inicia na Quarta-feira de Cinzas e é celebrado 40 dias antes da Páscoa. Esse é um período de reflexão, penitência, caridade e conversão espiritual. Os 40 dias de Quaresma relembram os 40 dias que Jesus passou no deserto antes de voltar a Jerusalém para sua paixão. No Brasil, o período quaresmal também é marcado pelas reflexões propostas pelos temas sociais da Campanha da Fraternidade, realizada pela CNBB.
Campanha da Fraternidade: realizada desde 1961 pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a Campanha da Fraternidade procura despertar a solidariedade dos fieis e da sociedade para problemas concretos presentes na sociedade brasileira. Neste ano, a Campanha traz como tema “Fraternidade e Vida no Planeta”, com o lema “A criação geme em dores de parto” (Rm 8, 22). 
Semana Santa: celebra a Paixão, a Morte e a Ressurreição de Cristo. A Semana Santa começa a celebração com a entrada de Jesus em Jerusalém no Domingo de Ramos, e termina no Domingo de Páscoa.
Domingo de Ramos: neste dia Jesus Cristo entra em Jerusalém e é recebido como rei, porém, as mesmas pessoas que o ovacionaram neste dia, irão condená-lo mais tarde.
Segunda-feira Santa: é a data em que Jesus começa sua caminhada rumo ao calvário.
Terça-feira Santa: dia em que se celebram as Sete Dores de Maria.
Quarta-feira Santa: algumas Igrejas celebram aqui o Dia das Trevas, para lembrar que o mundo já está em trevas porque a morte de Cristo está próxima.
Quinta-feira Santa: é o dia da Última Ceia de Jesus Cristo com seus Apóstolos. A Quinta-feira Santa é o fim da Quaresma e o início do Tríduo Pascal (o conjunto de três dias da Semana Santa, Quinta, Sexta e Sábado Santos). Durante a Última Ceia, Cristo fez o que mandava a tradição judaica, cear um cordeiro puro, e com seu sangue marcar a porta de sua casa em sinal de purificação, conforme relato do Livro Êxodo da Bíblia. Na Quinta-feira Santa acontecem ainda as Missas dos Santos Óleos ou Missa do Crisma. Nesta Santa Missa são benzidos os óleos do crisma, dos enfermos e do batismo. Também os sacerdotes renovam seus votos diante do Bispo. A Quinta-feira Santa é marcada também pela Missa de Lava-pés, quando Jesus humildemente lavou os pés dos seus 12 discípulos. É no momento do lava-pés que Judas Escariote sai para entregar Jesus em troca de 30 moedas de prata. Neste dia inicia-se a Vigília ao Santíssimo, os altares ficam desnudos, sem flores, sem velas, sem enfeites, simbolizando que Cristo já está preso e consciente do que vai acontecer com ele em seguida.
Sexta-feira Santa: também chamada de Sexta-feira da Paixão. É o dia em que Cristo é crucificado e acontece a Adoração da Cruz. Neste dia muitos fiéis ainda praticam o jejum ou abstinência da carne em sinal de penitência e respeito pela morte de Cristo e as Igrejas têm seus altares sem mantel, sem cruz, sem velas, sem adornos. Os celebrantes usam vermelho, a cor dos mártires. No Brasil, na cidade pernambucana de Nova Jerusalém, todos os anos, é feita a encenação da Paixão de Cristo. São milhares de fiéis todos os anos, vindos de diversos locais do país, que chegam apenas para se emocionar com a mais famosa das histórias da humanidade.
Sábado Santo ou Sábado de Aleluia: Neste dia, como no dia anterior, não se celebra a Eucaristia. A única celebração é a da Liturgia das Horas (uma oração pública e comunitária com o objetivo de recordar e despertar a reflexão do que é a obra de Deus). O único Sacramento permitido para este dia é o da Confissão. No Sábado Santo começa a Vigília Pascal, quando o dia se põe, a Vigília Pascal começa e termina com o amanhecer da Páscoa. Aqui acontece a primeira entoação do Glória. Durante a Vigília, o celebrante abençoa o fogo, símbolo do esplendor do Cristo ressuscitado que começa a dissipar as trevas do pecado e da morte. É no Sábado Santo que acontece a Malhação do Judas.
Domingo de Páscoa: é o dia do grande milagre, quando Cristo volta à vida através da Ressurreição, que celebra a vida, o amor e a misericórdia de Deus. Após falecer na cruz, o corpo de Cristo é colocado em um sepulcro, onde permaneceu por três dias, até o Domingo de Páscoa, quando ele ressuscita. Por isso é o dia santo mais importante do cristianismo.
Bênção dos Alimentos: como a Páscoa já era celebrada antes da vinda de Cristo pela tradição judaica para agradecer as colheitas, a bênção dos alimentos durante a Páscoa se tornou uma tradição que é mantida até hoje.
Símbolos da Páscoa
 - Ovo: o ovo é o símbolo da fertilidade e nova vida desde a antiguidade, é ele quem simboliza o nascimento, portanto, quando você dá de presente ovos a uma pessoa querida, está na verdade, desejando que a vida se renove para ela e para você. Naquela época e hoje ainda, os ovos que eram dados de presentes eram enfeitados e coloridos, e não ovos de chocolate.
- Coelho: o coelho é um animal que se reproduz várias vezes durante o ano, por isso a Igreja o escolheu para simbolizar a capacidade da instituição produzir novos discípulos do filho de Deus.
- Pão e vinho: o pão e o vinho foram escolhidos por Cristo para representar seu corpo e seu sangue quando ele os ofertou aos seus discípulos na Última Ceia em celebração da vida eterna. 
- Cruz: a cruz é um dos símbolos mais importantes na Igreja católica, não apenas na época da Páscoa, afinal, a cruz é o símbolo da fé católica, que lembra o sofrimento e ressurreição de Cristo. E desde o ano 325, ela é considerada o símbolo oficial do cristianismo.
- Círio pascal: o círio é uma grande vela que é acesa no Sábado Santo, no início da vigília pascal. Quando a vela é acesa, sua chama passa a representar o fogo que destrói as trevas, e a luz que é Cristo afugentando a morte e o pecado. Nesta mesma vela são inscritos os algarismos do ano em questão e crava-se nela cinco grãos de incenso que lembram as cinco chagas de Jesus, além das letras alfa e ômega (primeira e última letras do alfabeto grego, que significam princípio e fim, ou seja, Deus é o princípio e o fim de tudo). A Vela ou Círio Pascal acesa neste dia será usada em todo o Tempo Pascal, ficando sempre na Igreja para ser utilizada em Batismos, Crismas e Funerais. 

- Pêssankas: pêssankas são ovos coloridos à mão tradicionais nos povos eslavos, especialmente entre os ucranianos. Simboliza a vida, saúde e prosperidade. A tradição vem de milhares de anos, quando as pêssankas eram preparadas para presentear as divindades no início da primavera. Com a chegada do Cristianismo, elas passaram a simbolizar a Páscoa e Ressurreição de Jesus. Devido ao grande número de imigrantes ucranianos no Brasil, especialmente no Paraná, as pessânkas também se tornaram tradicionais por aqui.

- Colomba Pascal: a colomba pascal é o bolo em formato de ave tradicional na Páscoa, preparado com cascas de laranja cristalizadas, amêndoas ou gotas de chocolate. Diz a lenda que no vilarejo de Pavia, no norte da Itália, houve uma invasão do exército de Albuino, rei dos Lombardos. Um padeiro local resolveu preparar um presente para o invasor e criou o bolo com formato da pomba da paz. O invasor ficou encantado com o presente e decidiu poupar o vilarejo do ataque.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa