sábado, 2 de abril de 2011

São José


Por: DOM EURICO DOS SANTOS VELOSO 
ARCEBISPO EMÉRITO DE JUIZ DE FORA, MG.
Ao celebrar  a solenidade de São José, padroeiro de toda a Igreja Católica que peregrina no mundo inteiro. Dois texto bíblicos falam de José: Mt 1-2; 13-55; Lc 1-2; 4,22. Eles informam que José era descendente de Davi. 

Fala também de seu casamento com Maria. Assim como Abraão e os patriarcas, José aguardava ansiosamente o cumprimento das promessas de Deus. Deus, entretanto, realiza suas promessas provando-o na fé. Ele está comprometido com Maria, que fica grávida de um filho que não é seu.
 
Não entende o que se passa. Vacila. Fica confuso e agoniado, mas acolhe a palavra que lhe ordena tomar Maria como esposa e acolher o Menino que vai nascer.

O próprio nascimento de Jesus não pode ser programado. O Menino nasce em um estábulo, em meio a animais, à margem da sociedade. Os que vêm prestar-lhe culto é gente estranha, moradores fora das fronteiras de seu país. Não bastasse isso, Jesus é ameaçado de morte. José é obrigado a deixar a terra natal e fugir para o Egito.

No Egito, luta arduamente para sobreviver, numa terra estrangeira, na clandestinidade. Aguarda o momento do regresso com paciência. Todavia, a vida do Messias estará sempre ameaçada durante todos os seus dias, até sua morte, e continua ameaçada até hoje, nas pessoas daqueles que lutam pela implantação do Reino na face da terra.

São José, o homem justo e fiel, é o exemplo de confiança no Pai e de servidor do Senhor! São José, rogai por nós!

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa