domingo, 29 de maio de 2011

Pentecostes - Celebração do fogo do amor


“Pentecostes é a celebração do fogo do amor que pervaga os corações dos fiéis elevando a nível “teológico” sua bondade natural ou sua filantropia”. Gianfranco Ravasi
 O homem, por sua própria natureza é bom. Tornou-se capaz do mal quando foi contaminado pelo demônio com o vírus do pecado. Assim como o homem só é livre para a verdade: somos livremente obrigados à verdade (a dizer que dois e dois são quatro) somos também livres apenas para o bem. O homem só pratica o mal quando perde sua liberdade interior.

O Espírito Santo, simbolizado no vento forte e no fogo, limpa e purifica o coração humano. Anestesia o vírus do egoísmo e torna a pessoa capaz da prática do bem com uma força bem maior e diferente na sua qualidade: o amor do céu. 

O batizado, cheio do Espírito Santo passa a sentir uma necessidade de fazer o bem, de ajudar, de promover o fraco, o doente, o pobre, o esquecido, o solitário e todo aquele que experimenta alguma forma de sofrimento. O Espírito Santo infunde na pessoa uma necessidade da prática do bem como a necessidade de respirar. O ser humano torna-se apaixonado pela prática do bem. Sua alegria é levar alegria aos outros. Sua felicidade é conseguir fazer os outros felizes (Festa de Babete – filme de Just Betzer, de Isak Dinesen).

Uma pessoa sem o Espírito Santo é como um filme sem cor e sem som, sem legendas. Difícil de ser entendido naquilo que ele quer ser, significar e transmitir. A presença do Divino Espírito Santo leva a criatura humana à plenitude da realização de toda sua potencialidade enquanto imagem e semelhança de Deus. Mesmo em suas limitações físicas (doença, finanças, incompreensões) a pessoa sente uma alegria íntima de viver, de existir, de ser para os outros, de poder transformar, para melhor, o mundo humano ao seu redor.

Dom João Bosco (Bispo de Patos de Minas)

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa