quarta-feira, 17 de julho de 2013

Papa Francisco, seja bem-vindo

E-mailImprimirPDF
Dom Anuar Battisti
Arcebispo de Maringá (PR)
Estamos às vésperas da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) a realizar-se no Brasil, na cidade maravilhosa. O Cristo Redentor do alto do Corcovado abraça, chama e envia o mundo juvenil, dizendo: “Ide e fazei discípulos entre as nações!” (Mt 28,19).

A esperança de um mundo melhor está na juventude que encontra Jesus e aceita o convite para ser discípulo e fazer discípulos.  Imaginemos um milhão, dois milhões de pessoas, saindo da JMJ apaixonados por Jesus. E se a cada ano cada jovem fizer mais um jovem discípulo de Cristo, como seria o mundo?
Acredito que a semente lançada no coração juvenil dessa massa enorme, sedenta de um mundo novo, de um mundo cada vez melhor, vai produzir muitos frutos. Um semeia, outro colhe.
O Papa Bento XVI na sua mensagem para a Jornada enviada em 2012 disse: “Desejo, em primeiro lugar, renovar a vós o convite para participardes nesse importante evento. A conhecida estátua do Cristo Redentor, que se eleva sobre Taquela bela cidade brasileira, será o símbolo eloquente deste convite: seus braços abertos são o sinal da acolhida que o Senhor reservará a todos quantos vierem até Ele, e o seu coração retrata o imenso amor que Ele tem por cada um e cada uma de vós. Deixai-vos atrair por Ele! Vivei essa experiência de encontro com Cristo, junto com tantTos outros jovens que se reunirão no Rio para o próximo encontro mundial! Deixai-vos amar por Ele e sereis as testemunhas de que o mundo precisa”.
O mundo precisa de cristãos corajosos que possam  testemunhar sua fé, não só rezando na Igreja, mas principalmente fora dela.
O Papa Bento dizia aos jovens: É urgente testemunhar a presença de Deus para que todos possam experimentá-la: está em jogo a salvação da humanidade, a salvação de cada um de nós. Qualquer pessoa que entenda essa necessidade, não poderá deixar de exclamar com São Paulo: “Ai de mim se eu não anunciar o Evangelho” (1 Cor 9,16).
Jesus enviou os seus discípulos em missão com este mandato: “Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura! Quem crer e for batizado será salvo” (Mc 16,15-16).
Evangelizar significa levar aos outros a Boa Nova da salvação, e esta Boa Nova é uma pessoa: Jesus Cristo”.
De nada adianta querer salvar apenas a própria alma. Eu me salvo na medida em que salvo a vida dos outros, partilhando a alegria, a amizade, o amor que nasce do encontro com Jesus. “No início do Evangelho de João, vemos como André, depois de ter encontrado Jesus, se apressa em conduzir a Ele seu irmão Simão (cf. 1,40-42).
A evangelização sempre parte do encontro com o Senhor Jesus: quem se aproximou d’Ele e experimentou o seu amor, quer logo partilhar a beleza desse encontro e a alegria que nasce dessa amizade.
Quanto mais conhecemos a Cristo, tanto mais queremos anunciá-lo. Quanto mais falamos com Ele, tanto mais queremos falar d’Ele. Quanto mais somos conquistados por Ele, tanto mais desejamos levar outras pessoas para Ele”.
No final da sua mensagem para a JMJ no Rio, o Papa Bento dirigindo-se aos jovens de toda terra, disse: “Exorto todos os jovens do mundo: transmiti aos vossos conterrâneos  o entusiasmo da vossa fé”.
Acrescento: quem tem fé nunca está sozinho. Assim vamos caminhar na direção do Cristo Redentor, e receber dele o abraço da fé, a coragem para evangelizar, a graça para permanecer sempre de pé, o entusiasmo juvenil para vencer sempre e jamais trair a confiança do Pai, que nos ama infinitamente.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa