terça-feira, 8 de outubro de 2013

Educar nos dias de hoje

ImprimirPDF
Dom Aloísio Roque Oppermann
Arcebispo Emérito de Uberaba (MG)
Um filhote de leão precisa aprender poucas coisas de sua mãe, para se tornar um animal adulto bem sucedido: saber como atacar uma caça, de que jeito se defender dos perigos, como conviver com os da sua espécie. Já o homem é o mais complexo dos animais para aprender. Ao nascer nada sabe a não ser mamar.
E seu aprendizado não se restringe a um poucos pontos iniciais. Para sobreviver e desenvolver suas enormes potencialidades, é obrigado a acrescentar conhecimentos novos e adaptar hábitos diferentes, para se tornar uma pessoa adulta, plenamente desenvolvida. Isso é tarefa permanente. E o mais difícil é que a educação precisa ser diferenciada, de acordo com as épocas novas que vão se sucedendo. Tempos houve em que uma oportuna chinelada punha a caminhada no rumo certo. Hoje tal expediente pode produzir efeitos contrários. Deve-se fixar que educação não se refere somente ao âmbito escolar. Mas se refere à família, à convivência social, à auto-educação.
Poderíamos questionar a moderna educação, especialmente a praticada no Brasil, por alguns sintomas. Cito alguns. 1 - Nas instituições escolares, inúmeras vezes, a professora, em vez de ser centro de agradecimentos e ser considerada benfeitora, é maltratada, hostilizada, e não poucas vezes, morta. 2 – Numa postura de Santa Joana D’Arc sem causa, muitas mulheres engrossam as fileiras de assaltantes de Banco, assassinas covardes de cidadãos pacatos, só para obterem economias para a aquisição de drogas. 3 – Em vez de se canalizar as energias sexuais para o equilíbrio da vida familiar, faz-se a apologia oficial do sexo anárquico, com estímulo oficial para considerá-lo o grande objetivo da vida. 4 – O número de assaltos cruéis, de mortes de inocentes, de maus tratos contra o semelhante está numa espiral ascendente de fim imprevisível. 5 – O Deus Criador nem é lembrado nas grandes descobertas (p.ex. bóson de Higgs). É lembrado apenas quem descobriu, mas não quem criou. 6 – Muitos jovens de hoje, católicos, não casam mais na Igreja. Seria a porta aberta para novas uniões? Os outros noventa sintomas da educação incompleta os silencio. Mas é bom lembrarmos as Escrituras: “ocupem-se de tudo o que é verdadeiro, nobre, virtuoso ou que mereça louvor” (Fil 4, 8).

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa