quinta-feira, 17 de outubro de 2013

O horizonte da missão

ImprimirPDF
Dom Demétrio Valentini
Bispo de Jales (SP)

Em pleno mês missionário, temos neste dia 20 o Domingo das Missões, junto com o Dia da Infância Missionária. Tudo para destacar a importância da dimensão missionária da Igreja.
O destaque deste ano é dado, de novo, por uma insistência do Papa Francisco. Ele propõe inverter na prática as prioridades. Olhando racionalmente, não haveria dúvida em constatar que, eclesialmente, primeiro vem a comunhão, depois a missão. Primeiro o chamado, depois o envio. Primeiro somos discípulos, depois nos tornamos missionários.

Mas se conferimos mais de perto a dinâmica da vida cristã e eclesial, percebemos uma espécie de inversão operacional. A missão desencadeia um dinamismo, que acaba incidindo sobre a própria Igreja. Ela passa a se regular em vista da missão que ela tem a cumprir.
Daí a insistência do Papa. É a missão que vai desencadear e sustentar o processo de renovação eclesial. É retomando a missão que a Igreja vai reencontrar sua própria identidade.
É por este prisma que o Papa Francisco avalia o que aconteceu na Conferência de Aparecida. Ela se diferencia das outras Conferências já acontecidas, em Medellín, Puebla e Santo Domingo. As outras, culminaram num texto, com sua riqueza de conteúdo, mas também com seu risco de esquecimento. Ao passo que em Aparecida o desfecho foi outro. Ficou relativizado o texto, tanto que havia a hipótese de nem redigir texto algum. Mas ficou ressaltado o compromisso com a missão, como foco a ser conferido, de maneira dinâmica e permanente. A Conferência de Aparecida, de fato, convergiu para, no seu final, lançar o desafio da “missão continental”.

Não estava ainda claro o alcance e a fisionomia que poderia ter a tal de “missão continental”. E ainda não está. Mas o fato é que Aparecida indicou para a Igreja o caminho certo para a sua constante renovação: é o caminho da missão.
Quando colocamos a missão como nossa motivação, entramos na área de competência da graça de Deus. Se é “em nome do Senhor” que nos propomos a agir, é porque nos sentimos a serviço da causa do Senhor. Em consequência nos colocamos na dependência da eficácia de sua graça.
Na história houve, certamente, alguns equívocos sérios em torno da Evangelização. Dá para fazer uma importante constatação: quando a Igreja fez da evangelização uma “conquista”, impondo sobre os povos um domínio cultural e político, ela confiou no seu poderio humano, e não na força libertadora do Evangelho. Assim fazendo, ela não anunciou o Evangelho livremente, como São Paulo. Mas cobrou uma pesada conta, nem tanto em benefícios que ela recebeu, mas no prejuízo que ela provocou nos povos, a quem ela anunciou um “evangelho” deformado pela submissão exigida dos povos “conquistados”.
Quando a Igreja não se deixa converter pelo Evangelho que ela prega, ela acaba se pervertendo a si mesma, e aos povos por ela “submetidos” a um evangelho deturpado.
É diante da missão que a Igreja experimenta a absoluta necessidade de continuar se convertendo. Assim, a missão, voltada para fora da Igreja, acaba se voltando para a própria Igreja, que se torna, também ela, destinatária do Evangelho de Cristo.
De tal modo que, na Igreja, o chamado vem sempre ligado ao envio, a comunhão é sempre vinculada à missão. Assim a Igreja é sempre estimulada a levar aos outros o que ela mesma vive.
O Evangelho anunciado precisa ser um Evangelho vivido.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa