terça-feira, 15 de outubro de 2013

Papa pede para que cristãos vivam a fé de modo concreto

ImprimirPDF
Promoção para a nova evangelização





“A Igreja é a casa onde as portas estão sempre abertas”, disse o papa Francisco aos participantes da Assembleia Plenária do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização. O encontro com o pontífice ocorreu ontem, dia 14. Em seu discurso, Francisco chamou a atenção para a importância do testemunho, da urgência de ir ao encontro do outro, e do projeto pastoral centrado no essencial. 

De acordo com o papa, nos tempos atuais há uma indiferença com relação à fé, que para alguns não é considerada importante para a vida humana. O pontífice recordou que muitas pessoas têm se afastado da Igreja. “Diante desta situação, os cristãos devem fazer visível aos homens de hoje a misericórdia de Deus, sua ternura para todas as criaturas”, afirmou. Disse que a Igreja precisa acolher a todos e ajudá-los a “respirar o amor e a esperança”, mas também é necessário “sair e levar este amor e esta esperança”. Pediu, ainda,  para que os cristãos mostrem um modo concreto de viver a fé, por meio do amor, harmonia, alegria, sofrimento. 
Francisco encorajou os participantes do encontro a saírem em busca daqueles que perderam a fé e o sentido profundo da vida. “A Igreja é enviada para despertar esta esperança, especialmente em lugares marcados por condições difíceis, às vezes desumanas, onde a esperança não respira, se asfixia. Necessitamos do oxigênio do Evangelho, do sopro do Espírito de Cristo Ressuscitado, para que volte a reascender a esperança nos corações”, acrescentou.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa