terça-feira, 15 de outubro de 2013

Estudo 104 da CNBB será tema da Assembleia do regional Sul 1

ImprimirPDF
sul1cnbb 640x430





A "Renovação da Paróquia", proposta pela Estudo 104 da CNBB "Comunidades de comunidade: uma nova paróquia", será tema principal da 35ª Assembleia das Igrejas Particulares do regional Sul 1 da CNBB. O evento acontece de 18 a 20 de outubro, em Indaiatuba (SP), com a participação de bispos, padres, religiosas e leigos de todo o estado de São Paulo. Ao todo, são esperados 220 participantes.

De acordo com o secretário geral do Regional, dom Tarcísio Scaramussa, a reflexão sobre o tema da assembleia terá início com uma palestra do bispo de Marília (SP) e membro da Comissão da CNBB de redação do estudo 104, dom Pedro Carlos Cipolini. Na sequência, o arcebispo de Sorocaba (SP), dom Eduardo Benes de Sales Rodrigues, apresentará cinco experiências de novas formas de comunidades evangelizadoras: Sistema Integral da Nova Evangelização (SINE), Missões Redentoristas, Missões Populares, Células Católicas, Alpha. Na oportunidade, haverá partilha de outras experiências, em grupos e plenário.
Ao final, os participantes farão indicação de linhas comuns de ação e de sugestões para a próxima Assembleia Nacional da CNBB, com síntese do bispo auxiliar da arquidiocese de São Paulo, dom Júlio Endi Akamine. De acordo com dom Tarcísio, esta metodologia foi pensada para privilegiar, na Assembleia, a participação de seus integrantes, bispos, padres e leigos.
A abertura do evento, no dia 18, será na capela do Centro de Espiritualidade Inaciana (CEI) – Vila Kostka, Itaici (SP), a partir das 14h, com a presença do arcebispo de São Paulo e presidente do regional Sul 1 da CNBB, cardeal Odilo Pedro Scherer.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa