quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Para papa Francisco, é preciso mudar estilo de vida para acabar com a fome no mundo

ImprimirPDF
Papa escrevendo





“A fome e a desnutrição nunca podem ser consideradas como um fato normal que se deve acostumar, como se fosse parte do sistema. Algo tem que mudar em nós mesmos, em nossa mente, em nossas sociedades”, escreveu o papa Francisco em uma mensagem enviada ao diretor da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), José Graziano de Silva, por ocasião do Dia Mundial da Alimentação, celebrado hoje, 16 de outubro, com o tema “Sistemas alimentares sustentáveis para a segurança alimentar e nutricional”.


Segundo o papa, “em um momento em que a globalização permite conhecer as situações de necessidade no mundo e multiplicar os intercâmbios e as relações, parece crescer a tendência ao individualismo e ao isolamento, o que leva a uma certa atitude de indiferença, tanto no âmbito pessoal, das instituições e dos estados, com relação a quem morre de fome ou sofre desnutrição, como se fosse um fato inelutável”.
Para Francisco, um passo importante é acabar com as barreiras do individualismo e do isolamento, da escravidão do lucro a todo custo, não somente na dinâmica das relações humanas, como também na dinâmica econômica e financeira global. 
“É necessário, hoje mais do que nunca, educar-nos na solidariedade, redescobrir o valor e o significado desta palavra tão incômoda e muito frequentemente deixada de lado, e fazer que se converta em atitude nas decisões políticas, econômicas e financeiras, nas relações entre as pessoas, povos e nações”, disse o pontífice.
Francisco acrescenta que a sociedade está longe de um mundo no qual todos possam viver com dignidade e que é preciso mudar o estilo de vida, incluindo a alimentação, que em tantas áreas do planeta é marcada pelo consumismo e desperdício de alimentos. De acordo com o papa, o fim de tais comportamentos reduziria “drasticamente o número de pessoas com fome”.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa