segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Um povo pode viver sem lei?

ImprimirPDF
Dom Aloísio Roque Oppermann 
Arcebispo Emérito de Uberaba (MG)
As Escrituras, na sua sábia descrição da criação do homem, colocam nos lábios do Pai Eterno, uma lista de coisas que o casal humano pode fazer e usar legitimamente. É uma lista longa. Mas também estabelece algumas proibições. É um verdadeiro código de ética, simplificado. “Não comereis da fruta da árvore da vida” (Gen. 2, 17 ). Mas os nossos primeiros pais não resistiram à propaganda enganosa do espírito do mal.

A experiência eventual de conhecer o bem e o mal, e de serem poderosos como o Criador, apareceu como uma tentação irrefreável. Mais. Parecia que Deus tinha o desejo secreto de não permitir seu pleno desenvolvimento. Daí sentiram a necessidade de “assassinar o pai”, definitivo símbolo da ordem e arquétipo do bem comum. A paternidade respeitada tornar-se-ia a garantia da paz social, da liberdade e do progresso. A independência das ordens eternas foi um monumental erro. A desobediência lhes apareceu como um gesto de esperteza. Daí a partir para as rebeldias é um passo só. Ser contra o pai é uma involução. É tornar-se adepto da anarquia, sinônimo de falsa liberdade. O imperativo categórico do bem comum foi interpretado como inibição da realização. Embora as Escrituras digam: “fazei o bem e evitai o mal” (Is 7, 15), acha-se isso uma lei não obrigatória.
Os anarquistas tupiniquins realizam atos reprováveis. Antes guardam bem seus carros em estacionamentos, e depois vão quebrar as agências de automóveis; fazem seguro dos seus bens, e assaltam caminhões carregados de mercadorias; provocam os soldados da ordem pública, e acusam a reação dos homens da lei como selvageria. Ao quebrarem e destruírem os bens de todos, esquecem o princípio de ouro da convivência humana: “Não faças aos outros o que não queres que te façam”. Esse quadro vai mudar? Acho difícil. No Brasil não há mais ensino religioso nas escolas; os delinqüentes não tem respeito pelo pai; não há punição exemplar dos delitos contra a sociedade; o nosso regime político favorece a luta de classes quando propõe esquemas bolivarianos; ninguém desses malfeitores freqüenta as comunidades religiosas para aprender a sabedoria divina. Assim mesmo, digo-lhes de coração, o que disse o Concílio Vaticano II: “Todos cultivem com grandeza de alma o amor à pátria” (GS 75).

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa