segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Na Albânia, papa destaca convivência pacífica entre as religiões

“Estou muito contente de encontrar-me convosco nesta nobre terra da Albânia, terra de herois que sacrificaram sua vida pela independência do país, terra dos mártires, que deram testemunho de sua fé nos tempos difíceis de perseguição”, disse o papa Francisco às autoridades albanesas que o receberam neste domingo, 21, em Tirana, capital albanesa. Entre os presentes estavam o presidente albanês, Bujar Nishani, o núncio apostólico, dom Ramiro Moliner Inglés, e o primeiro ministro, Edi Rama.


Na oportunidade, Francisco falou sobre o caminho da Albânia na recuperação de suas liberdades civis e religiosas, alertou para a instrumentalização das diferenças entre as religiões e elogiou a convivência pacífica e a colaboração entre os membros de diversos credos na terra albanesa.
“Passou quase um quarto de século desde que a Albânia encontrou de novo o caminho árduo, porém, emocionante, da liberdade. Graças a ele, a sociedade albanesa pôde iniciar um caminho de reconstrução material e espiritual, implantou tantas iniciativas e abriu-se à colaboração e ao intercâmbio com os países vizinhos dos Balcãs e Mediterrâneos, da Europa e de todo o mundo. A liberdade recuperada permite-lhes olhar para o futuro com confiança e esperança, colocar em marcha projetos e tecer novas relações de amizade com as nações próximas e distantes”, expôs o papa.
Sobre os direitos humanos, Francisco destacou a liberdade religiosa e de expressão como condição prévia para o desenvolvimento social e econômico de um país. “Quando se respeita a dignidade do homem, seus direitos são reconhecidos e tutelados, floresce também a criatividade e a engenhosidade. A personalidade humana mostra suas múltiplas iniciativas em favor do bem comum”, ressaltou.
 Paz
Francisco manifestou alegria com a convivência pacífica e a colaboração entre os que pertencem a diversas religiões no país. Disse que esta “feliz” característica precisa ser preservada com todo cuidado e interesse. “O clima de respeito e confiança recíproca entre católicos, ortodoxos e muçulmanos é um bem precioso para o país e adquire um relevo especial neste tempo em que, por parte de grupos extremistas, se desnaturaliza o autêntico sentido religioso, e em que as diferenças entre as diversas confissões se distorcem e se instrumentalizam, fazendo delas um fator perigoso de conflito e violência, ao invés de uma ocasião de diálogo aberto e respeitoso e de reflexão comum sobre o significado do crer em Deus e seguir sua lei”, acrescentou.
Para o papa Francisco, “ninguém pode esconder-se em Deus quando projeta e realiza atos de violência e abusos, nem quando toma a religião como pretexto para as próprias ações contrárias à dignidade do homem e seus direitos fundamentais. 
Francisco enfatizou que, a exemplo do que demonstra a Albânia, é possível e realizável a convivência pacífica e frutífera entre pessoas e comunidades que pertencem a diferentes religiões. “É um bem inestimável para a paz e o desenvolvimento harmoniosos de um povo”, afirmou.
Disse que após o inverno de isolamento e de perseguições na Albânia, veio a primavera da liberdade. Citou as eleições livres e as novas estruturas institucionais, que têm consolidado o pluralismo democrático e a recuperação da atividade econômica.
Quanto à Igreja Católica, Francisco lembrou que lugares de culto são edificados ou construídos, a exemplo do Santuário da Virgem do Bom Conselho em Scutari. Falou ainda das fundações de escolas e importantes centros educativos e de assistência. “A presença da Igreja e sua ação é percebida justamente como um serviço não somente para a comunidade católica, mas para toda a nação”, disse.
O papa recordou ainda da beata Madre Teresa e dos mártires, “que deram testemunho heroico de sua fé”.
Juventude
Após o encontro com as autoridades albanesas, Francisco celebrou missa na Praça Madre Teresa, onde falou aos presentes de diferentes lugares da Albânia e de outros países vizinhos, com especial atenção à juventude. “Queridos jovens, vós sois a nova geração da Albânia, o futuro do país. Com a força do Evangelho e o exemplo de vossos antepassados e dos mártires, digam não à idolatria do dinheiro, não à enganosa liberdade individualista, não às dependências e à violência; digam sim à cultura do encontro e da solidariedade, à beleza inseparável do bem e da verdade, à vida entregue com generosidade e fidelidade às pequenas coisas. Assim construireis a Albânia e um mundo melhor, seguindo os passos de vossos antepassados, também dos que hoje levam adiante a Albânia”.
Esta é a quarta viagem apostólica de Francisco e a segunda de um pontífice à Terra da Águia, como é conhecida a Albânia. Em 1993, o papa João Paulo II esteve no país, após o estabelecimento das relações diplomáticas entre Santa Sé e a República albanesa.
Com informações da agência VIS e fotografia da Rádio Vaticano

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa