terça-feira, 21 de outubro de 2014

Cardeais e patriarcas discutem a paz no Oriente Médio


O Consistório Público para a canonização do beato José Vaz e Maria Cristina da Imaculada Conceição foi dedicado ao Oriente Médio e, em particular, à situação dos cristãos que vivem nesta região. “Compartilhamos o desejo de paz e estabilidade no Oriente Médio e a vontade de fomentar a resolução dos conflitos por meio do diálogo, reconciliação e compromisso político”, disse o papa Francisco aos 86 cardeais e  patriarcas do Oriente Médio presentes no evento, ocorrido hoje, 20, no Vaticano. 

Na ocasião, Francisco expressou o desejo de dar a maior ajuda possível às comunidades cristãs, para sustentar a sua permanência na região. “Não podemos resignarmos a pensar no Oriente Médio sem os cristãos, que há dois mil anos confessam o nome de Jesus”, afirmou.
Este também foi um apelo dos patriarcas do Iraque, Síria, Egito, Terra Santa, Palestina e Líbano. Segundo o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, padre Federido Lombardi, em seus discursos, os patriarcas falaram "insistentemente" sobre a permanência dos cristãos no Oriente Médio. "Eles têm um papel essencial tanto para a Igreja presente no mundo inteiro, a fim de que não perca a sua dimensão oriental, quanto também pelo papel que essas comunidades sempre tiveram como mediadoras de paz, mesmo sendo geralmente minorias em seus países", explicou o padre. 
Preocupação
O papa expressou, ainda, preocupação com os acontecimentos recentes, sobretudo no Iraque e na Síria. “Estamos assistindo a um fenômeno de terrorismo de dimensões até agora inimagináveis. Muitos de nossos irmãos estão sendo perseguidos e abandonado seus lugares de uma forma brutal. Parece que se tem perdido a consciência do valor da vida humana, que a pessoa não conta e que pode ser sacrificada por causa de outros interesses”, assinalou Francisco.
Para o papa, esta situação requer oração constante e uma resposta adequada também por parte da Comunidade Internacional. “Estou certo de que, com a ajuda do Senhor, da reunião de hoje nasceram valiosas reflexões e sugestões para poder ajudar nossos irmãos que sofrem e para sair ao encontro do drama da redução da presença cristã na terra onde nasceu e desde a qual se difundiu o cristianismo”, disse.
Canonização
O Consistório tratou das canonizações do padre José Vaz, apóstolo de Ceilão (Sri Lanka), e de Maria Cristina da Imaculada Conceição, fundadora da Congregação das Irmãs Vítimas Expiatórias do Santíssimo Sacramento. 

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa