quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Eu vim para servir

Dom Roberto Francisco Ferrería Paz

Eu vim para servir

Dom Roberto Francisco Ferreria PazBispo de Campos (RJ)
Com este versículo do Evangelista Marcos (10,45) a Igreja lança a Campanha da Fraternidade 2015 que trás como tema: Fraternidade, Igreja e Sociedade. Seu objetivo geral busca aprofundar o diálogo e a colaboração entre a Igreja e a sociedade. Reflete toda a caminhada iluminada pelo Concilio Ecumênico Vaticano II e trata de testemunhar o rosto de uma Igreja servidora. É importante registrar que o Cartaz reproduz uma foto do Papa Francisco na cerimônia do Lava-pés de 2014, quando ele oscula os pés de um fiel depois de tê-los lavado, imitando o gesto misericordioso de Jesus o Salvador.

Como sempre a Campanha da Fraternidade seguirá a metodologia pastoral e teológica do VER-JULGAR-AGIR, levando a conversão e ao comprometimento. Na etapa do Ver, são repassadas as formas de como a Igreja se relacionou com o Estado e a sociedade, na cristandade colonial, o Império, os desafios da primeira metade do século XXI, o período da repressão e a urbanização, o desenvolvimento e a violência atual. Diante deste quadro se apresenta o serviço e as práticas eclesiais em prol da sociedade e dos pobres, encerrando a reflexão com os sinais dos tempos e a esperança diante dos desafios.
Na segunda parte o Julgar se inicia com olhar para a experiência de Israel como Povo destinado a ser Luz para as Nações, focaliza de imediato a proposta de Jesus Cristo que veio para servir e não ser servido, instaurando o poder serviço do seu Novo Reino, e a continuidade da Igreja nascente a serviço de uma sociedade reconciliada e fraterna. Se apresenta de imediato a relação Igreja-sociedade nos documentos do Magistério da Igreja e seus critérios, bem comum, solidariedade, participação, justiça social e opção preferencial pelos pobres.
No Agir são apresentadas linhas de encaminhamento para práticas na direção do Diálogo, da Cooperação e do Serviço. Propõem-se aconstrução de uma Cultura de Paz, a participação nos Conselhos Paritários e o aprofundamento de uma Democracia ativa que envolva a cidadania, o apoio a reforma Política e Reforma do Estado tornando-o mais servidor e democrático.
Esta Campanha se situa em perfeita sintonia com uma Igreja em processo de saída, Igreja samaritana e misericordiosa, que ousa ir ao encontro das periferias existenciais e matérias, gerando a civilização, da ternura, da paz e do serviço solidário. Deus seja louvado!
http://www.cnbb.org.br/artigos-dos-bispos-1/dom-roberto-francisco-ferreria-paz-1/15838-eu-vim-para-servir

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa