sábado, 4 de setembro de 2010

Abobrinha recheada

Uma opção diferente para o seu almoço de domingo

Por Minha Vida Publicado em 17/7/2008 Revisado em 16/3/2010

Ingredientes: 
230 g de carne magra moída 
50 g ( ½ xícara ) (chá) de cebola picada 
1 dente de alho picado 
3 abobrinhas médias (180 g cada)
1 xícara (chá) de tomate picado

¼ xícara (chá) de extrato de tomate 
1 colher (chá) de semente de cominho 
10 g ( ¼ xícara) (chá) de salsinha picada 
15 g ( 2 colheres) (sopa) de farinha de rosca

Modo de preparo: 
Lave as abobrinhas, retire uma rodela das pontas, corte ao meio no sentido do comprimento, com um boleador ou uma colher de chá, retire o miolo das abobrinhas, deixando uma margem de 0,5 cm da borda e guarde o miolo para o recheio. Coloque uma panela grande com água para ferver, junte as abobrinhas e cozinhe por 4 minutos. Retire as abobrinhas com uma escumadeira e coloque em um recipiente com água e gelo para interromper a cocção. Ligue o forno em temperatura média (180º C) e comece a preparar o recheio. Retire a pele dos tomates e corte-os em cubinhos.

Descasque a cebola e o alho e pique, lave a salsinha e pique. Coloque carne moída, polpa da abobrinha, cebola, alho, tomates, extrato de tomate, cominho em uma panela grande, leve ao fogo alto para refogar e deixe cozinhar por 30 minutos, mexendo de vez em quando, ou até que o líquido tenha evaporado. Acrescente a salsinha e cozinhe por mais 1 minuto. Retire as abobrinhas da água, recheie com carne moída pronta, polvilhe farinha de rosca sobre cada abobrinha e leve ao forno pré-aquecido por 20 minutos. Retire do forno e sirva a seguir. 

Receita cedida pelo site Rudge SBC

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa