terça-feira, 7 de setembro de 2010

COUVE-FLOR GRATINADA



Autor: Panelinha 
Tipo de Cozinha: vegetariana, caseira, da vovó
Categoria: acompanhamentos, entradas
Tempo de preparo: Menos de 2 horas
Serve: 2
 Couve-flor gratinada crocante e saborosa. As crianças vão devorar e adorar! 

para a couve-flor
Ingredientes
1 couve-flor pequena
Modo de Preparo
Lave a couve-flor muito bem sob água corrente. Corte os cabos da couve-flor e transfira os talos para uma tigela com água fria. Reserve.
para o molho
Ingredientes
1/2 l de leite
1 1/2 colher (sopa) de farinha de trigo
1 1/2 colher (sopa) de manteiga
1/2 cebola descascada
1 folha de louro
sal e noz-moscada a gosto
Modo de Preparo
1. Coloque o leite, a cebola descascada e a folha de louro numa panela. Leve ao fogo médio e, quando ferver, desligue. Retire a cebola e a folha de louro. Desligue o fogo e reserve a panela com o leite.


2. Numa panelinha, coloque a manteiga e leve ao fogo baixo para derreter. Acrescente a farinha de trigo e mexa, sem parar, por 3 minutos ou até obter uma pasta bege escuro. Retire do fogo.


3. Volte a panela com o leite ao fogo baixo e adicione a pasta de manteiga aos poucos. Misture bem com um fouet (batedor de arame), sem parar de mexer. Continue misturando sem parar por 15 minutos ou até que o leite adquira a consistência de molho, mas não muito grosso. Cuidado: se você parar de mexer, o molho empelotará. Tempere com sal e noz-moscada. Reserve.
Montagem
Ingredientes
3 colheres (sopa) de queijo parmesão ralado
Modo de Preparo
1. Preaqueça o forno a 180°C (temperatura média).
2. Disponha os cabinhos de couve-flor sobre uma travessa refratária. Regue com o molho branco e polvilhe com o parmesão ralado.


3. Leve ao forno preaquecido para gratinar por 20 minutos. Sirva a seguir.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa