terça-feira, 7 de setembro de 2010

COUVE-FLOR AO MOLHO DE TAHINE

Autor: Chef Leila - Restaurante Arábia 
Tipo de Cozinha: libanesa, restaurantes, árabe
Categoria: acompanhamentos, entradas
Tempo de preparo: Pá Pum
Serve: 2
 A couve-flor fica ainda melhor nesta receita do restaurante Arábia. Mais uma surpresa saborosa e versátil da culinária árabe, este prato é uma ótima entrada ou acompanhamento.

Ingredientes
1 couve-flor
molho de tahine
óleo para fritar
1 colher (chá) de sal
Modo de Preparo
1. Lave e separe a couve-flor em pequenos buquês. Numa panela média ferva 4 litros de água com 1 colher (chá) de sal. Junte a couve-flor e espere levantar fervura novamente. Retire e escorra o excesso de água.


2. Numa panela média, esquente óleo suficiente para fritar. Frite os buquês até dourarem levemente, coloque-os em um refratário com papel toalha e deixe escorrer bem o excesso de óleo.
Para o molho de tahine
Ingredientes
1/4 xícara (chá) de tahine
1/4 xícara (chá) de suco de limão
1/4 xícara (chá) de água gelada
1 colher (chá) de pasta de alho
Modo de Preparo
1. Numa tigela pequena, misture a pasta de alho e a tahine. Vá acrescentando a água, alternando com o suco de limão, batendo com um fouet (batedor de arame), ou com um garfo, até ficar claro. Continue batendo até obter um molho denso e homogêneo.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa