sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Meia-lua de queijo

Massa com Iogurte Natural Nestlé recheada com queijo.
Ingredientes
1 pote de Iogurte Natural Integral
    2 gemas
    300 g de manteiga gelada
    meia colher (sopa) de Fondor Maggi
    4 xícaras (chá) de farinha de trigo

    1 ovo inteiro ligeiramente batido para pincelar
    600 g de queijo Minas padrão em cubos
Modo de Preparo
Misture o Iogurte, as gemas, a manteiga em pedacinhos e o Fondor e vá acrescentando a farinha de trigo até misturar bem. Embrulhe a massa em papel de alumínio e deixe descansar em geladeira por 6 horas. Abra a massa sobre uma superfície enfarinhada e corte com o cortador em círculos com espessura média. Recheie cada círculo com um cubo de queijo e junte as extremidades, formando uma meia-lua. Pressione as bordas com um garfo, pincele com o ovo e asse em forno médio (180º C), preaquecido, até crescer e dourar. Retire do forno e sirva.
Dicas
- Esta massa não deve ser muito manuseada. Se sobrarem pedacinhos, não abra a massa novamente, mas aproveite-os fazendo torcidinhos com queijo parmesão ou aliche.
- Chame algumas amigas para um café da tarde em sua casa e ofereça meia-luas especialmente feitas por você para recebê-las. Elas se sentirão ainda mais especiais!
Congelamento
Coloque a massa crua sobre papel de alumínio, feche e coloque dentro de um saco plástico. Retire o ar, etiquete e leve ao freezer ou duplex por até 3 meses. Para descongelar, deixe 6 horas em geladeira ou 2 horas em temperatura ambiente. Utilize normalmente. Se preferir, congele a massa já assada, dentro de saco plástico ou embalagem de plástico rígido. Se fizer pastéis ou empadas, já congele pronto, esquentando no forno após o descongelamento.
O IOGURTE NATURAL NESTLÉ pode ser usado no preparo de massas salgadas, trazendo leveza e nutrientes para suas receitas.
Rendimento : 60 salgadinhos

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa