quinta-feira, 9 de setembro de 2010

A vida dos jovens na América Latina

Escrevo este texto da cidade de Los Teques, Venezuela, onde participo do III Congresso Latino-americano de jovens. São seiscentos jovens vindos dos vinte e dois países deste Continente da Esperança que, em 2007, o Papa desejou que fosse também o Continente do Amor.

Os jovens que aqui se encontram são líderes de várias organizações juvenis em seus respectivos países. Estão acompanhados por alguns sacerdotes e bispos que em suas conferências estão diretamente comprometidos na evangelização da juventude.
Posso dizer que é um pequeno sínodo juvenil da América Latina para criar comunhão e unidade na Missão Continental, cujo objetivo principal é promover um verdadeiro encontro dos jovens com Jesus Cristo, Caminho, Verdade e Vida.
Iluminados pelo tema: "Caminhemos com Jesus para dar vida aos nossos povos", este congres so tem como objetivo principal: "revitalizar o processo da pastoral Juvenil ¿ ação evangelizadora com e desde os jovens ¿ partindo do contexto da vida dos e das jovens da América Latina, através de uma profunda experiência de conversão pessoal, pastoral e eclesial, para que se gere a atualização das orientações pastorais como caminho de discipulado missionário para dar vida aos nossos povos".
O Santo Padre, o Papa Bento XVII na sua mensagem aos Congressistas diz: "Queridos jovens, que estes dias de convivência, oração e estudos vos ajudem a encontrar pessoalmente com o Senhor e escutar a sua Palavra. Não sereis enganados, pois Ele tem para todos, desígnios de amor e salvação.
O Papa está ao vosso lado e renovo a minha confiança, ao mesmo tempo peço a Deus que os acompanhe a fim de que sejam autênticos discípulos de Jesus Cristo, vivam os valores do evangelho, transmitam com coragem aos que vos rodeiam e se inspiram neles para co nstruir um mundo mais justo e reconciliado.
Vale à pena entregar-se a esta maravilhosa missão. Que a Virgem Maria vos acompanhe em vosso caminhar e vos lembre sempre que não há maior felicidade que ser amigo de Cristo. Que sirva também de ajuda a minha Benção Apostólica".
Vejo que este congresso é realmente uma grande oportunidade para o intercâmbio de experiências, de convivência, de oração e de mútuo conhecimento na busca de ser cada vez mais jovens, discípulos apaixonados por Jesus, a fim de serem missionários entusiasmados a serviço da vida. A realidade do jovem hoje não muda muito de país a país.
Os problemas que mais afetam a vida dos jovens é a desagregação familiar, a pobreza, o desemprego, a falta de recursos e de perspectiva de vida e uma verdadeira experiência de Fé em Jesus Cristo. Assim muitos jovens tomam rumos completamente equivocados e se dão mal, quando não, perdem a vida de forma bruta e cruel, muitas vezes inocentemente. Esse é o mundo jovem, em que todas as instituições, família, escola, igrejas, estado, devem abrir espaços, escutar e promover os verdadeiros valores da vida e do evangelho no coração dos jovens começando na primeira infância.
Uma palavra que escutei muitas vezes aqui foi: "devemos acreditar nos jovens", dar oportunidade, promover a dignidade e a cidadania. Na confiança e no reconhecimento de sua existência os jovens se sentem acolhidos, amados e, portanto sabem amar e valorizar a própria vida e a dos outros. O caminho é árduo e exigente. A renúncia e o saber perder em cada momento são condições para um discipulado autentico. Muitos jovens esqueceram que a "porta do Reino de Deus é estreita e largo é o caminho da perdição". Retorno contente e com a esperança de um mundo melhor.

Dom Anuar Battisti

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa