sábado, 29 de janeiro de 2011

Jovem: evangelizador de outro jovem


Dentro da Igreja, principalmente da Renovação Carismática Católica, o ministério dos jovens sempre foi limitado a animação das reuniões do Grupo de oração, montagem da estrutura dos encontros, e serviços que exigem força e quantidade de pessoas. Mas pouco se vê o jovem pregando, coordenando encontros, intercedendo, ativo em trabalhos sociais, orando pelos enfermos, entre outros serviços que habitualmente são destinados aos mais "velhos". 
 Chega-se ao ponto, talvez absurdo, de em encontros de jovens, não ter nenhum pregando, quando o jovem é o melhor evangelizador de outro jovem!

Em nenhum momento queremos desprezar a sabedoria, ou mesmo abrir mão da experiência dos mais velhos. Mas queremos sim que todos, independente da idade, tenham oportunidade de exercer seu ministério, seja este qual for!

Hoje o jovem tem um chamado especial: Evangelizar com toda ousadia de sua juventude! Sair pelo mundo, testemunhando a alegria de ser amado do Senhor! Mostrar a outros jovens, perdidos em meio a tantas abominações, como drogas, sexo desenfreado, culto exagerado ao corpo, que, vivendo os mandamentos de Jesus, poderão ser felizes!

Sabendo desta força, São Paulo exorta a Timóteo em sua carta: "Ninguém te despreze por seres jovem. Ao contrário, torna-te modelo para os fiéis, no modo de falar e de viver, na caridade, na fé, na castidade" (2 Tm 4, 12).

Timóteo era um jovem que, à frente de seu tempo, com destemor, anunciava a palavra do Senhor. Paulo sabendo de sua coragem estimula a pregar vivendo a santidade, pois esta, é o melhor testemunho de alegria!

Hoje, assim como a Timóteo, São Paulo nos fala: "Eu te conjuro em presença de Deus e de Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, por sua aparição e por seu Reino: prega a palavra, insiste oportuna e importunamente, repreende, ameaça, exorta com toda paciência e empenho de instruir" (2 Tm 4, 1-2).

Ziad Joseph Esper 
Fonte: cancaonova.com

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa