segunda-feira, 14 de março de 2011

Questões de Fé - Parte 5


ORAÇÃO:
Devemos ser assíduos à vida de oração.  Existe a oração de Súplica: Filipenses 4,6; I Timóteo 2, 1ss; Lucas 18,38ss - ensina que o Senhor, embora saiba as nossas necessidades, quer que lhe contemos.  Quem reza se salva, m não reza se condena.  Rezar e orar tem o mesmo significado.
Tanto faz dizer eu rezo como eu oro.  Devemos repetir as palavras com por exemplo a reza do terço?  Sim,  Deus não condena repetir as palavras. A Bíblia ensina repetir as mesmas palavras.  Os Judeus e Cristo e os Apóstolos repetiam  as palavras dos Salmos 136 e 113-118.  Um rezava e os demais repetiam o refrão:  "Pois seu amor é eterno" por 26 vezes.

No Getsemâni Jesus rezou, repetindo três vezes as mesmas palavras.  Veja Mateus 26, 36-44.
Pastores ignorantes da Bíblia é que interpretam mal o que está em Mateus 6,7.  O verbo traduzido por repetições tem o significado de tagarelar, falar sem pensar, amontoando palavras vazias.  A ênfase deve ser colocada sobre vãs e não sobre repetições.  Condena-se aqui as palavras sem significado.  Ao rezarmos o rosário repetimos várias vezes palavras importantes, de alto significado e bíblicas.  Devemos rezar em casa, a sós e com a Família, mas acima de tudo, as orações litúrgicas da Missa, na Igreja, com os irmãos.  Jesus ia sempre orar no templo: Lucas 4,16; 19, 46-47; 24-53.  Leia ainda Lucas 18,10.
Uma boa prática é a oração oficial da Igreja.  Adquira o "Livro das Horas", editado pela Editora Companhia Ilimitada - Caixa Postl 7781 - CEP 01064-970 - São Paulo - SP. Ali contém as orações de cada dia.  É maravilhoso.
ORAÇÃO PELOS MORTOS:
É bíblica, necessária e altamente elogiável.  Leia Tobias 4,18; Eclesiástico 7,37; 2 Macabeus 12, 43.  Comparando 2 Timóteo 1, 16-18 com 4,19 percebe-se que Onesíforo já havia falecido quando São Paulo escreveu essa carta e ora em favor da alma dele.
Os túmulos, as catacumbas dos católicos da antigüidade, no século I revelam a prática saudável das orações pelos mortos.
ORDENS RELIGIOSAS E SECULARES:
Pouco tempo após eu ter deixado de ser pastor protestante, chegou às minhas mãos um folheto altamente mentiroso e calunioso, onde entre tantas besteiras, o autor, pastor em Campinas-SP, afirmava que as Ordens Religiosas da Igreja demonstram uma divisão na Igreja e traça o infeliz "cabriteiro" em seu pasquim mal escrito e pior pensado, um paralelo entre aquelas Ordens e a escandalosa e pecaminosa divisão entre as seitas (hoje divididas em cerca de 30 mil).  No Brasil surgem três seitas por dia.  Ora, qualquer católico e até não católico honesto sabe que as Ordens Religiosas - todas elas reconhecem o Papa como Pastor comum.  Já as seitas seguindo as suas tradições amontoavam para si milhares de pequenos "papas".
            Por que existem tantas Origens Religiosas e Seculares na Igreja, como beneditinos, dominicanos, franciscanos, etc.  Movimentos Eclesiais Seculares como Comunhão e Libertação, Focolares e Opus Dei?  São o agir do Espírito Santo que revitaliza a sua Igreja.  As diferenças são apenas de carismas de serviço.  Todos crêem e professam a mesmíssima Fé.
PADRE / PAI:
Algumas seitas interpretam versículos fora do contexto, como é comum na leitura bíblica que fazem, alegando que é pecado chamar alguém de Padre/Pai a não ser o Pai do Céu.
            Se eles - os crentes - lessem os versículos que vem antes e os que vem
depois não cometeriam tantos erros. 
É claro que Cristo ensinou outra coisa completamente diferente desses chefes de seitas.  A interpretação das seitas é absurda, caso contrário nós nunca poderíamos chamar os nossos progenitores de pais.
 A Bíblia é a Palavra de Deus e é preciso aprender que versículos difíceis, obscuros, devem ser lidos à luz do mais claro.  Leia por favor Êxodo 20,12; Mateus 15,4; Deuteronômio 27,16 e Lucas 2, 48.  Há também os pais espirituais, como os nossos Padres.  Leia Romanos 4, 11-12.
PECADO:
As seitas, não conhecendo corretamente o que diz a Palavra de Deus, afirmam que não existe o chamado pecado mortal; enfim não fazem distinção entre pecado mortal e pecado venial, isto é, pecado leve.  Vamos ver o que diz essa mesma Bíblia que as seitas procuram decorar mas não compreendem.  Leia-se João 19,11; Mateus 7, 3-5; 23,24; I João 5, 16-17.
PECADO OU BLASFÊMIA CONTRA O ESPÍRITO SANTO:
 Muitos desses falsos pastores, mercenários cujo deus é o dinheiro, praticam uma teologia do medo.  Afirmam que mulheres ao cortarem o cabelo cometem o pecado contra o Espírito Santo.  Outros que o pecado contra o Espírito Santo é não dar o dízimo para eles.  Outros é o adultério, e ainda outros é sair da seitas deles - só Deus sabe o que mais afirmam esses infelizes pastores.
O que é na verdade o pecado contra o Espírito Santo ?
Foi o pecado cometido pelos judeus fariseus, os quais contra todas as evidências de que Jesus era o Cristo e que agia pelo Espírito Santo declaravam em seu ódio contra Deus que Ele agia por força do diabo.  Sabiam a verdade mas agiam por má fé.  O pecado ou blasfêmia contra o Espírito Santo como se lê em Mateus 12, 31s (Marcos 3,28s; Lucas 12,10) é saber a verdade e recusar a aceitá-la, é morrer no ódio contra Deus.  Por exemplo: é saber qual é a Igreja verdadeira, é saber que Cristo está presente na Eucaristia, é enfim saber a verdade e negando-a e assim permanecer até a morte.
PEDRO, PRIMEIRO PAPA:
A palavra de Deus clarissimamente ensina que São Pedro foi escolhido por Cristo para ser o Primeiro Papa e portanto Chefe da Igreja Católica.  Leia-se João 1,42 compare com Mateus 16,13s; Lucas 22,31-32; João 21, 15-18; Atos 12,17 (foi para Roma); Atos 15, 4.7; I Pedro 5,13 (Babilônia, isto é Roma).  A Bíblia afirma, a história e a arqueologia comprova.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa