sábado, 9 de abril de 2011

Encontro com Jesus é garantia de verdadeira felicidade, ensina Papa



Leonardo Meira
Da Redação

Papa abençoa fiéis reunidos na Praça de São Pedro
O Papa Bento XVI refletiu, antes da tradicional oração mariana do Angelus diante dos milhares de fiéis reunidos na Praça de São Pedro neste domingo, 27, sobre o Evangelho que narra o encontro de Jesus com a Samaritana.

"Cada um de nós pode identificar-se com a mulher Samaritana: Jesus nos espera, especialmente neste tempo de Quaresma, para falar ao nosso, ao meu coração. Ajude-nos a Virgem Maria a não esquecer desse encontro, do qual depende a nossa verdadeira felicidade", disse.

O Pontífice explicou que o "cansaço da viagem" (Jo 4,6), sentido por Jesus, é sinal da sua verdadeira humanidade e também prelúdio da paixão com a qual Ele levou a cumprimento a obra da redenção humana.

"Deus pai enviou-o para saciar a nossa sede de vida eterna, doando-nos o seu amor, mas para nos dar esse dom Jesus pede a nossa fé. A onipotência do Amor respeita sempre a liberdade do homem; bate à porta do coração e espera com paciência a sua resposta", afirmou. Por fim, Bento XVI disse que é graças ao encontro com Jesus e o dom do Espírito Santo que a fé do homem alcança o seu cumprimento.

Ao final do encontro, o Santo Padre lançou um 
apelo pelo fim de uso de armar na Líbia. Mais cedo, no início da manhã, ele também visitou as Fossas Ardeatinas e disse que a violência entre os homens é ofensa gravíssima a Deus.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa