quarta-feira, 22 de maio de 2013

CPT do Regional Centro Oeste promove XV Romaria da Terra e das Águas

E-mailImprimirPDF
AbadiaMuquem
No dia 18 de Maio, a cidade de Goianésia (GO) sediou a XV Romaria da Terra e das Águas, que teve como tema "Cerrado e Sustentabilidade" e como lema "Vi então um novo céu e nova terra" (Ap 21, 1). O evento foi promovido pela Diocese de Uruaçu, em parceria com a Comissão Pastoral da Terra do regional Centro-Oeste.

O objetivo da Romaria é o despertar para a problemática ecológica e ambiental no mundo hoje, “não somente porque ela responde a uma preocupação pontual de sobrevivência da humanidade, mas também porque ela interpela e estimula a fé dos cristãos, impulsionando-os a reconsiderar sua relação com a Criação, e consequentemente, com o Criador”, explica o padre Pedro Márcio, da paróquia de Goianésia.
A Romaria ocorreu no clima da vigília de Pentecostes. De acordo com a Polícia Militar, participaram cerca de 7 mil romeiros. Além de caravanas das paróquias da Diocese de Uruaçu, estavam presentes romeiros de diversas cidades goianas. O ponto alto da Romaria foi a visita da imagem de Nossa Senhora da Abadia do Muquém, vinda do Santuário diocesano. Trazida elas mãos de Dom Messias Reis, bispo de Uruaçu, a imagem sobrevoou de helicóptero o local da Romaria.
Estiveram presentes os seguintes bispos: Dom Messias dos Reis, bispo da Diocese de Uruaçu; Dom Tomás Balduíno, bispo emérito da Diocese de Goiás; Dom Eugênio Rixen, bispo da Diocese de Goiás; Dom Guilherme Werlang, bispo de Ipameri.
Ao final da celebração, foi lida a carta de comprometimento da XV Romaria da Terra e das Águas, que exorta os romeiros a adotarem um estilo de vida que respeite a biodiversidade e promova um desenvolvimento que sustente a vida para todos, privilegiando a solidariedade acima dos interesses particulares. A próxima Romaria da Terra e das Águas será realizada na Cidade de Goiás, daqui a quatro anos.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa