segunda-feira, 29 de julho de 2013

O Brasil ficou mais alegre e iluminado!

E-mailImprimirPDF


Dom Roberto Francisco Ferreria Paz
Bispo de Campos (RJ)
A visita e a participação do Papa Francisco na 28ª Jornada Mundial da Juventude, foi uma verdadeira lufada de ar fresco, espiritualidade e paz tanto para a Igreja como para toda a sociedade, em especial os jovens que foram totalmente cativados por sua pessoa. 
Desde a sua primeira alocução no Palácio Guanabara até o discurso de despedida no Aeroporto, o Papa fez questão de falar ao coração dos jovens e de todos os brasileiros. Seus pronunciamentos foram importantes e diretos, reveladores todos de Cristo, assinalados e testemunhados com gestos proféticos de pobreza, simplicidade e autenticidade.
Como não destacar o uso de um veiculo popular comum a muitos padres e fieis para ser seu carro oficial, seu alojamento despojado e essencial, suas cozinheiras as próprias irmãs que cuidam da casa, suas refeições as mesmas que a maioria dos peregrinos. Mais ainda suas visitas na Varginha a uma família comum do bairro recentemente pacificado, aos doentes no Hospital, mostrando clara preferência a encontrar-se com o povo antes que suas autoridades.

Sentimos que este Papa não será cooptado pelos grandes ou manipulado pela Cúria, suas inspirações e atitudes tem como âncora e fonte o próprio Cristo. Nos deixa um testemunho muito claro de esperança, um rasto de luz, de amor e solidariedade, encorajando os jovens a serem os protagonistas do futuro, os faróis acesos da Igreja para renovar e recriar todo relacionamento e espaço na Igreja e na sociedade.
Muito obrigado Papa Francisco, pela sua presença entre nós, foi abençoada, marcante e transformadora, seus ensinamentos e suas palavras e gestos habitarão por muito tempo em nossos corações alimentando, vocações, conversões, mudanças e comprometimentos para vivermos uma Igreja missionária, samaritana, profética e servidora. Deus seja louvado!

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa