terça-feira, 6 de agosto de 2013

O Salmo das criancinhas

E-mailImprimirPDF

Dom José Maria Maimone
Bispo de Umuarama (PR)
No mês passado refletimos o Salmo dos Idosos; hoje dirigimos nossa reflexão para uma direção oposta e refletiremos sobre o Salmo das Criancinhas. Será que estas criaturinhas tão belas e mimosas já são capazes de rezar? Já no início, o salmo nos diz que “todo o universo criado por Deus, canta para louvar, bendizer e glorificar a Deus” (v. 2). É possível pensar que as criancinhas estão incluídas neste ‘todo o universo’, mas na verdade elas são mencionadas de modo muito claro e surpreendente no versículo seguinte: “Da boca das crianças e dos bebês vem a vós o perfeito louvor, que surpreende os ímpios e fecha a boca enganadora dos falsos profetas” (v. 3).

Somos tentados a pensar que houve algum engano na tradução, pois é difícil acreditar que um bebê seja capaz de rezar. Mas, Jesus vem tirar de nós esta dúvida quando lemos no evangelho: “Os cegos e os aleijados foram ter com Jesus no pátio do Templo e ele os curou. Os chefes dos sacerdotes e os mestres da lei viram os milagres que Jesus realizou e escutaram as crianças que gritavam: ‘Glória ao Filho de Davi!’. Por isso, indignados disseram a Jesus: ‘Acaso não ouves o que elas gritam?’ Jesus respondeu: ‘Claro que sim! Mas, não lestes na Bíblia estas palavras: ‘Da boca das crianças, e até das que ainda mamam, receberás o perfeito louvor?’ Sl 8, 3” (Mt 21, 14-16).
Como é bom ter fé simples como a das crianças! Como é bom ter fé total em Deus e em seu Filho Jesus Cristo! Como é bom acreditar nas suas palavras! Quando eu leio esta resposta de Jesus aos sumos sacerdotes e mestres da lei, eu sinto claramente o sarro que Jesus tira desses hipócritas, que não querem acreditar no que ouvem e vêm. Eles que, juntamente com os fariseus, viviam tentando pegar Jesus em algum engano.
O salmista, diante da sabedoria e do poder de Deus, que se manifestam até na voz das criancinhas, olha maravilhado toda a criação do Senhor e exclama cheio de gratidão e admiração: “Contemplando o céu estrelado e a beleza das noites enluaradas, eu me pergunto: Que é o homem, o filho de Adão, para dele Deus se lembrar com tanto carinho e brindá-lo com tantas maravilhas?” (vv. 4 e 5).
Este salmo nos faz ainda relembrar o grande amor de Jesus pelas criancinhas: “Deixai as crianças virem a mim e não as impeçais. O Reino de Deus é para aqueles que se fizerem como elas; e eu vos asseguro que se não receberdes o Reino de Deus como uma criança, não entrareis nele. Então Jesus abraçou e abençoou os pequeninos” (Mc 10, 14-16). Meu último pensamento é para os pais: Procurem cultivar a fé de seus filhos, pois em sua inocência eles serão a presença do próprio Deus em vossas casas.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa