terça-feira, 6 de agosto de 2013

Papa Francisco convoca a Igreja a evangelizar as periferias: Mensagem para o Dia Mundial das Missões 2013

E-mailImprimirPDF
francisco.25.04





Todos os batizados são chamados a anunciar o Evangelho com coragem em toda realidade. É o que escreve o Papa Francisco em sua Mensagem para o Dias Mundial das Missões, que será celebrado em 20 de outubro próximo.

No documento publicado, nesta terça-feira, 06 de agosto, e que traz a data de 19 de maio passado, Solenidade de Pentecostes, o Pontífice ressalta que "evangelizar jamais é um ato isolado", mas "sempre eclesial" e reitera que uma comunidade é realmente adulta se consegue sair de seu recinto para levar a esperança de Jesus também às periferias.
"A fé é dom precioso de Deus", "um dom que não se pode guardar para si, mas deve ser partilhado". O Papa Francisco parte dessa consideração para desenvolver a sua primeira Mensagem para o Dia Mundial das Missões.
"Toda comunidade é 'adulta' quando professa a fé, a celebra com alegria na liturgia, vive a caridade e anuncia sem cessar a Palavra de Deus, saindo de seu recinto para levá-la também às 'periferias'" – escreve.
Em seguida, o Santo Padre ressalta que a dúplice ocasião do Ano da Fé e do 50º aniversário do início do Concílio Vaticano II devem impelir a Igreja "uma renovada consciência da sua presença no mundo de hoje, da sua missão entre os povos e as nações".
E observa que a "missionariedade não é somente uma questão de territórios geográficos", vez que "os confins da fé não atravessam somente lugares e tradições humanas, mas o coração de cada homem e de cada mulher".
Portanto, cada comunidade é interpelada a anunciar Jesus até os extremos confins da terra como "um aspecto essencial" da vida cristã. Todos "somos enviados pelas estradas do mundo para caminhar com os irmãos, professando e testemunhando a nossa fé em Cristo", reitera.
Em seguida, Francisco convida os bispos a darem relevo especial à "dimensão missionária nos programas pastorais e formativos", evidenciando que "a missionariedade não é somente uma dimensão programática na vida cristã, mas também paradigmática que concerne a todos os aspectos da vida cristã".
Ademais, observa o Papa, "muitas vezes a obra de evangelização encontra obstáculos não apenas externamente, mas dentro da própria comunidade eclesial". Por vezes, afirma, são tênues o fervor, a alegria, a coragem no anunciar" Jesus a todos e "no ajudar os homens do nosso tempo a encontrá-lo".
E escreve, "por vezes ainda se pensa que levar a verdade do Evangelho é fazer violência à liberdade", quando, ao invés, levar a verdade evangélica "é uma homenagem a essa liberdade", ressalta o Papa fazendo recordar Paulo VI.
Muitas vezes, "vemos que são a violência, a mentira e o erro a serem ressaltados", então é "urgente fazer resplendecer em nosso tempo a vida boa do Evangelho com o anúncio e o testemunho, e isso deve ser feito dentro da própria Igreja", adverte o Santo Padre.
Francisco reitera que "é importante não esquecer um princípio fundamental para todo evangelizador: não se pode anunciar Cristo sem a Igreja. Evangelizar jamais é um ato isolado, individual, privado, mas sempre eclesial".
O Papa detém-se sobre os muitos desafios da evangelização e encoraja todos a levar ao homem do nosso tempo "a luz segura que ilumina o seu caminho e que somente o encontro com Cristo pode dar".
A "missionariedade da Igreja não é proselitismo, mas testemunho de vida que ilumina o caminho, que leva esperança e amor", reafirma, e recorda que "é justamente o Espírito Santo que guia a Igreja neste caminho".
Na parte conclusiva da Mensagem o Pontífice recorda aqueles que se fazem portadores da Boa Nova, dos missionários aos presbíteros fidei donum, aos fiéis leigos que "deixam a própria pátria para servir ao Evangelho em terras e culturas diferentes".
"Doar missionários e missionárias jamais é uma perda, mas um ganho", constata, e encoraja os bispos e as famílias religiosas "a ajudarem as Igrejas que necessitam" de sacerdotes, religiosos e leigos para "reforçar a comunidade cristã".
É importante que "as Igrejas mais ricas de vocações ajudem com generosidade as que sofrem escassez de vocações", lê-se no documento. Por outro lado, ressalta a importância das "jovens Igrejas" que podem promover um novo entusiasmo nas Igrejas de antiga tradição cristã.
Por fim, o Papa Francisco dirige um pensamento aos cristãos perseguidos em várias partes do mundo, observando que hoje existem mais mártires do que nos primeiros séculos. O Pontífice assegura a sua proximidade com a oração e lhes repete as palavras consoladoras de Jesus: "Coragem, eu venci o mundo".
Confira a íntegra do texto, clicando aqui.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa