terça-feira, 17 de setembro de 2013

Edições CNBB apresentam Novena de Natal 2013

ImprimirPDF
novenanatal2013






As novenas fazem parte do patrimônio da religiosidade popular. Trata-se de um costume realizado pelas comunidades na preparação de importantes momentos celebrativos, como o Natal. “A novena de Natal, a montagem do presépio, a participação na doação às crianças pobres, são um modo de entrar em preparação para a vinda do Senhor”, explica do secretário geral da CNBB, dom Leonardo Steiner.

Para colaborar com a preparação das comunidades, as Edições CNBB oferecem um roteiro de novena de Natal para ser refletido pelas comunidades durante o período do Advento. A edição deste ano de 2013 apresenta personagens importantes da História da Salvação, com o temaReunidos em família, preparando a vinda do Senhor.  “Personagens da primeira e segunda aliança que orientaram o povo de Deus para o mistério do Natal. Eles despertarão em nós a expectativa da vinda de Jesus. Ele é a realização de todas as promessas, Ele é o esperado”,  explica dom Leonardo.
Para o assessor do setor Música e Canto Pastoral da CNBB, padre José Carlos Sala, a novena também pode ajudar as comunidades a compreenderem a riqueza da espiritualidade própria do Advento. “Os cânticos deste tempo refletem essa espiritualidade própria: a alegre espera daquele que vem. Textos que não dizem, que não cantam àquele que já chegou, mas aquele que está por vir. É o povo que celebra alegremente essa espera, para explodir de alegria durante o período do Natal”.
A novena de Natal da CNBB pode ser adquirida nas livrarias católicas e também pelo site:www.edicoescnbb.com.br, ou ainda pelo televendas (61) 2193-3019, em horário comercial.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa