terça-feira, 17 de setembro de 2013

Max Weber superado

ImprimirPDF
Dom Aloísio Roque Oppermann scj – Arcebispo Emérito de Uberaba, MG.
Endereço eletrônico:  domroqueopp@terra.com.br
É por demais conhecido o enorme impacto provocado pela queda do geocentrismo. Todas as pessoas, acompanhando o senso comum, consideravam tranquilamente a terra como centro do universo. A terra era estática, e tudo evoluía ao seu redor (a lua, as estrelas e o sol). Isso era “evidente”. E de repente, Kepler, Galileu e outros, demonstraram que o nosso planeta não passava de um ínfimo grão de areia, obediente às leis harmoniosas da movimentação dos astros. Mas pior do que isso, foi a descoberta das mazelas do rei da criação, reduzido a um reles animal, pela teoria da evolução. A auto estima humana viveu décadas de perplexidade e até de horror, quando a verdade fundamental do universo virou de ponta cabeça. Até o século XVI Deus era a verdade central da vida: as motivações religiosas tinham nela a sua inspiração. O comércio, a lavoura, a educação, tinham um valor secundário. A atividade principal era buscar o encontro com a divindade. “Buscai primeiro o Reino de Deus e sua justiça. E o resto vos será acrescentado” (Lc 12, 31).

Completando os males dos 4 cavalos do apocalipse (cap. 6), de repente, quem foi colocado no centro das preocupações, substituindo o próprio Senhor do Universo, foi o ser humano: sua indústria, a produção econômica... Isso de rezar, e invocar a divindade, tornou-se apenas um rodapé. O paraíso está nas nossas mãos e devemos concretizá-lo durante a nossa curta existência, dizem. Com isso o mundo não admira mais os Santos que se distinguem por orações profundas ou pelo ascetismo. Agora só valem os Santos que ajudaram o seu semelhante a sair da pobreza, que protegeram a saúde do povo, que defenderam os fracos contra as injustiças. Mas Paulo VI escreveu na “Evangelii Nuntiandi” que o papel principal da Igreja é anunciar explicitamente a pessoa de Cristo. (Nº 27). Sem que o antropocentrismo contradiga o teocentrismo, em absoluto. “A honra de Deus se concretiza na glória do Homem” (S. Irineu em “Adversus Haereses”). Manter obras sociais vem em segundo lugar, no entanto. Como se essas dificuldades não bastassem, apareceu um grande sociólogo (Max Weber), que vinculou o progresso do capitalismo ao protestantismo. Os católicos estariam destinados a serem empregados e sem iniciativa. No Brasil essa teoria vingou, fazendo muitos católicos migrarem para as denominações protestantes, simplesmente “porque queriam ser ricos”. Mas o próprio Max Weber, se vivo fosse, teria enormes dificuldades – dentro dessa chave de leitura – de explicar o progresso capitalista da China, do Japão, da Coréia e de outros tigres asiáticos.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa