sexta-feira, 7 de novembro de 2014

PESSOA IDOSA - Os desafios de quem atende mais de 140 mil idosos, mensalmente, em todo o Brasil, e reconhece que esta não é a melhor idade

Curitiba, 05 de Novembro de 2014 (Zenit.org) Fabiano Fachini |
Em entrevista exclusiva ao Zenit, a Coordenadora Nacional da Pastoral da Pessoa Idosa, Irmã Terezinha Tortelli, fala sobre as experiências da Pastoral, o trabalho para dar “vez e voz” aos idosos esquecidos e os principais desafios de quem celebra 10 anos de história.

Fundada em 05 de novembro de 2004, a Pastoral da Pessoa Idosa (PPI) é um Organismo vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). A pastoral atua junto às famílias brasileiras, por meio dos Líderes Comunitários. Voluntariamente, estes líderes realizam visita domiciliar mensal às pessoas idosas, preferencialmente as mais vulnerabilizadas por sua fragilidade física ou situações de risco social, independentemente de seu credo religioso, ou tendência política.
Nestes 10 anos, a Igreja no Brasil, através da PPI, abriu caminhos “para que a sociedade vá se dando conta, aos poucos, de que o envelhecimento hoje é uma realidade que veio para ficar. Este é um processo sem volta... teremos cada vez mais pessoas idosas no Brasil e no mundo”, afirma Ir. Terezinha. “Há diferentes modos de envelhecer. Este processo não é uniforme, por isso considero equivocada a expressão ‘melhor idade’. Justamente pelo fato da Pastoral da Pessoa Idosa dedicar-se de maneira especial aos mais fragilizados, percebe que é até uma ironia considerá-los em sua ‘melhor idade’”, aponta.
Confira a entrevista completa, realizada pelo jornalista Fabiano Fachini com a Irmã Terezinha Tortelli:
ZENIT: Como começou e desde quando você atua na Pastoral da Pessoa Idosa?
Irmã Terezinha Tortelli: Eu atuo na Pastoral da Pessoa Idosa desde o seu início, em 2004, quando a Dra. Zilda Arns era a Coordenadora Nacional e, a convite dela, assumi a função de secretária da PPI.
Porém, bem antes de 2004, já era realizado esse mesmo trabalho através de um programa chamado “Terceira Idade na Pastoral da Criança”. Este teve início em 1994 e desde aquela época eu atuava no programa, enquanto ao mesmo tempo coordenava a Pastoral da Criança no Estado do Paraná.
ZENIT: Ao longo destes anos de experiência na Pastoral da Pessoa Idosa, alguma experiência marcante?
Ir. Terezinha: Teria tantas experiências marcantes para partilhar... em cada visita que faço às Dioceses, ou encontrando-me com lideranças da PPI em diversos eventos, tenho ouvido muitos testemunhos que valeria a pena que fossem escritos.
Apenas a título de exemplo, compartilho o testemunho de dona Regina, uma senhora de 82 anos que veio para receber a capacitação e se preparar para ser Líder da PPI (o Líder da PPI é o que faz as visitas domiciliares às pessoas idosas todos os meses).
A capacitação para líderes é composta de seis etapas que duram de 3 a 4 horas cada. Dependendo da realidade de cada grupo, fazemos a capacitação por partes, ou seja, dando uma etapa por semana, intercalando assim, a teoria com a prática. Trabalhada a capacitação desta maneira, dura em torno de um mês e meio.
Ao término da capacitação em que a dona Regina estava participando, ela já havia cadastrado em seu Caderno do Líder, 40 pessoas idosas (a média para cada Líder é de 10 pessoas idosas). Questionada sobre a razão de ter cadastrado tantas pessoas e se daria conta de acompanhar com tempo suficiente cada pessoa idosa que havia cadastrado, respondeu: ‘eu visito um pela manhã e outro à tarde; no dia seguinte mais um pela manhã e outro à tarde...’ e completou: ‘eu encontrei a razão para a minha vida; eu vivia só, sofrendo pela solidão... agora as visitas são a minha vida... estou muito feliz!’.
O testemunho de dona Regina me faz lembrar de uma sábia palavra de Dom Helder Câmara: ‘O segredo de ser sempre jovem – mesmo quando os anos passam deixando marcas no corpo – é ter uma causa a que dedicar a vida’.
ZENIT: 10 anos de história e missão. Como avalia essa caminhada?
Ir. Terezinha: Para mim foram 10 anos de realização, de muita vida, de muita alegria na missão. Nestes 10 anos, a Igreja do Brasil, através da PPI, certamente abriu caminhos para que a sociedade vá se dando conta aos poucos, de que o envelhecimento hoje é uma realidade que veio para ficar. Este é um processo sem volta... teremos cada vez mais pessoas idosas no Brasil e no mundo.
A Igreja, através da PPI, tem sido uma voz profética trazendo à tona essa questão. A nível de Brasil estamos apenas começando a nos dar conta dos imensos desafios para toda a sociedade, essa mudança rápida do perfil demográfico dos brasileiros.
A avaliação que faço desses 10 anos de caminhada da PPI é justamente esse papel de tornar visível o que muitos não querem ver. Como bem lembra o Papa Francisco que a população idosa é uma porção excluída e por isso tem tratado com muita frequência dessa temática.
ZENIT: Quais os desafios da Pastoral da Pessoa Idosa hoje?
Ir. Terezinha: Considero o mais importante desafio para a PPI, dar a conhecer a todos: sociedade em geral e governantes, a existência de uma imensa população brasileira, hoje ainda esquecida e invisível. São as pessoas idosas vulnerabilizadas, seja pela pobreza, pela solidão, pelo isolamento, ou por outras fragilidades;
Outro desafio é mostrar que há diferentes modos de envelhecer. Este processo não é uniforme, por isso considero equivocada a expressão “melhor idade”. Justamente pelo fato da Pastoral da Pessoa Idosa dedicar-se de maneira especial aos mais fragilizados, percebe que é até uma ironia considera-los em sua “melhor idade”.
A PPI tem mostrado em Conferências, em Conselhos de Direitos das Pessoas Idosas a nível nacional, estadual e municipal, que existe uma outra população idosa, ainda invisível, que não é lembrada, que não recebe atenção especial como precisa e merece.
Por isso considero como outro importante desafio dar visibilidade a essa imensa parcela da população brasileira e darmo-nos conta de que todos precisamos nos preparar para o CUIDADO uns dos outros.
Ainda outro desafio para a PPI, embora façamos nossa missão voluntariamente, é a questão da falta de recursos. Para a elaboração dos materiais educativos, a impressão destes e faze-los chegar até a base; as capacitações dos voluntários que envolve deslocamentos, alimentação, as vezes hospedagem. Para que essa engrenagem funcione é necessário contar com uma equipe mínima de funcionários que dê conta de gerenciar todos esses detalhes.
ZENIT: Como define o trabalho da pastoral?
Ir. Terezinha: Considero como uma missão extremamente necessária e urgente no contexto em que vivemos hoje. Considero também que a PPI há 10 anos vem trabalhando no formato que o Papa Francisco tanto insiste: ir para as periferias existenciais e geográficas; ser uma Igreja de saída, não esperar que venham a nós, mas nós igreja devemos ir até as pessoas. Por isso sinto segurança em afirmar que estamos no caminho certo.
ZENIT: Como a Igreja - e a própria PPI – busca agir para evangelizar a partir dessa realidade dos idosos no Brasil?
Ir. Terezinha: Toda a preparação dos voluntários da PPI está fortemente fundada no agir de Jesus. A metodologia baseia-se no texto de MC 6, 34-44 – a multiplicação dos pães e peixes. Neste texto encontramos todos os passos: ver, julgar, agir, celebrar e avaliar que norteiam toda ação dos voluntários da PPI.
Temos ainda como meta, orientar, motivar e preparar todos os voluntários para a vivência diária da Palavra de Deus através do exercício da leitura orante. E nisto está a força e a perseverança do trabalho voluntário.
ZENIT: Qual a maior necessidade do idoso atendido hoje pela PPI?
Ir. Terezinha: Por se tratar das pessoas idosas mais vulneráveis, percebemos que são muitas as necessidades das pessoas idosas que acompanhamos a cada mês em suas residências.
Percebemos que em todas as regiões do Brasil faz falta a construção de uma rede de apoio e atendimento às pessoas idosas e suas famílias. Há necessidade de uma política do CUIDADO. São necessários mais recursos para a área de saúde da pessoa idosa, na área da assistência, na área de formação de cuidadores.
É preciso pensar seriamente em outras modalidades de atendimento para dar suporte a uma grande demanda dessa população, como: Centros Dia, Residência Temporária, Residências coletivas, entre outras.
Hoje percebe-se um cansaço por parte dos familiares que precisam cuidar de forma permanente de um familiar idoso dependente. Há necessidade de vir em socorro dessas famílias para que o cuidador familiar tenha a possibilidade de tempos para se refazer.
ZENIT: Quais os números de hoje da Pastoral da Pessoa Idosa?
Ir. Terezinha: São acompanhadas uma média mensal de 140.300 pessoas idosas, através de 18.014 líderes comunitários, em 4.622 comunidades, que pertencem a 1.319 paróquias e 187 dioceses. Esses dados tem como fonte o sistema de informação da PPI – dados do 1º trimestre de 2014.
ZENIT: Zilda Arns. O que falar desta mulher neste momento de celebrar 10 anos de missão da Pastoral da Pessoa Idosa?
Ir. Terezinha: Certamente a Pastoral da Pessoa Idosa existe em função da perspicácia e determinação da Dra. Zilda Arns. Foi determinante, na época de sua fundação, a insistência da Dra. Zilda junto aos Bispos reunidos em Assembleia no ano de 2004. Ela era grande conhecedora da realidade das famílias brasileiras e da presença de pessoas idosas em quase todas as famílias visitadas pelos líderes comunitários.
Neste momento de celebrarmos os 10 anos da PPI, obra que ela tanto quis e defendeu, queremos prestar-lhe uma homenagem especial.
ZENIT: Uma mensagem a todos os líderes da PPI que contribuíram e contribuem com esta história?
Ir. Terezinha: Ânimo queridos líderes da PPI ! A messe é grande e os operários ainda são poucos para tantas pessoas idosas que aguardam nossa visita, que esperam nosso carinho e nosso afeto. Não desanimemos jamais, ao contrário, que cada um possa convidar mais um operário para a vinha do Senhor.
Como nos dizia Dom Helder Câmara: “É graça divina começar bem. Graça maior persistir na caminhada certa. Mas graça das graças é não desistir nunca.”
E termino com uma palavra forte de nosso Papa Francisco: Cada vez que vamos ao encontro de um irmão ou de uma irmã em necessidade, estamos abraçando a carne sofredora de Cristo.
*Conheça mais da Pastoral da Pessoa Idosa no site oficial: www.pastoraldapessoaidosa.org.br.
(05 de Novembro de 2014) © Innovative Media Inc.
V. Excia. Revma. Dom Vilson.
Encaminho entrevista feita com a I. Terezinha Tortelli, nossa coordenadora nacional, em comemoração aos 10 anos da pastoral no Brasil.

Lucia Secoti
Coordenadora Arquidiocesana da Pastoral da Pessoa Idosa
Centro Pastoral Pio XII
T.: (19) 3519-3050 (19) 3519-3059
C.: (19) 99833-2959/Vivo (19) 98441-6465/Tim

Veja: http://www.zenit.org/pt/articles/10-anos-de-missao-da-pastoral-da-pessoa-idosa

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa