terça-feira, 10 de março de 2015

Diocese de Rio Branco recebe doações para famílias desabrigadas

Agência de Notícias do Acre
Diante da situação de várias cidades acreanas, afetadas com alagamentos, devido à cheia do rio Acre, a diocese de Rio Branco (AC) disponibilizou sua conta bancária para receber doações para o projeto “Acre Solidário 2015”, que irá ajudar as famílias desabrigadas.
O assessor das Pastorais Sociais do regional Noroeste da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), padre Luiz Ceppi, enviou pedido a várias lideranças e instituições da Igreja para que seja feita uma oração solidária em favor dos habitantes de Assis Brasil (AC), Brasiléia (AC), Xapurí (AC) e Rio Branco.

Em boletim divulgado na manhã de hoje, 5, o governo do estado informou que o nível do rio Acre está em 18,34 metros, de acordo com medição realizada às 6 horas.
Os alagamentos afetam na capital, Rio Branco, 53 bairros e 86.937 pessoas. Três pontes e ruas estão interditadas na área central da cidade. De acordo com a Agência de Notícias do Acre, estão disponíveis 26 abrigos, ocupados por cerca de 2,6 mil famílias, num total de 9.251 pessoas.
Doações de alimentos, como leite em pó e massa para mingau, e de itens de uso pessoal, como fraldas descartáveis para crianças e idosos, são recebidas em locais específicos da capital: Palácio das Secretarias, Quartel da Polícia Militar, Igreja Batista do Bosque, Igreja Internacional da Graça, Assembleia de Deus, Igreja Santa Inês, Catedral Nossa Senhora de Nazaré e lojas da rede de Supermercados Araújo no Tangará, Aviário e Isaura Parente.
Para realizar as doações em dinheiro:
Conta Corrente 500-2
Agência 0071-X
Banco Brasil

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa