sexta-feira, 3 de setembro de 2010

MUFFIN DE QUEIJO, TOMATE E MANJERICÃO


Autor: Panelinha 
Tipo de Cozinha: vegetariana, prática, caseira
Categoria: aperitivos, café-da-manhã, pães
Tempo de preparo: Pá Pum
Serve: 8 unidades  A clássica combinação italiana de queijo provolone, tomate e manjericão cai deliciosamente bem para este muffin salgado, que você pode servir no lanche da tarde ou no café-da-manhã. 

Ingredientes
1 tomate
1/2 xícara (chá) de queijo provolone em cubinhos
1 ramo de manjericão
1/2 xícara (chá) de leite
4 colheres (sopa) de manteiga
2 ovos
1/2 xícara (chá) de farinha de trigo
1 xícara (chá) de farinha de trigo integral
2 colheres (chá) de fermento
1 colher (sopa) de açúcar
manteiga e farinha de trigo para untar e polvilhar
Modo de Preparo
1. Preaqueça o forno a 180ºC (temperatura média). Unte 8 forminhas individuais de muffins ou de empadinhas com manteiga e polvilhe farinha.

2. Numa tábua, corte o tomate ao meio, retire as sementes e corte-o em cubinhos. Pique as folhas de manjericão.

3. Numa panelinha, junte o leite e o manjericão. Leve ao fogo alto e, quando o leite ferver, desligue o fogo. Acrescente a manteiga imediatamente e mexa bem até derreter. Coloque os ovos e misture bem. Reserve.

4. Numa tigela grande, passe por uma peneira as farinhas, o fermento e o açúcar. Faça um buraco no centro e regue com a mistura de leite e manjericão. Com uma colher, mexa até a farinha absorver todo o líquido. Acrescente o queijo e o tomate em cubinhos.

5. Em cada forminha, coloque 3 colheres (sopa) de massa. Leve ao forno por 25 minutos. Retire os muffins da assadeira e coloque sobre uma grade para esfriar. Sirva morno ou à temperatura ambiente.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa