terça-feira, 1 de julho de 2014

37ª Convocação Nacional da Renovação Carismática Católica

Discurso do Papa Francisco - Domingo, 1º de junho de 2014


Queridos irmãos e irmãs!

Eu os agradeço pela acolhida. Certamente alguém falou para os organizadores que eu gosto muito dessa música, “Vive Jesus, o Senhor”. Quando eu celebrava na Catedral de Buenos Aires a Missa com a Renovação Carismática, após a Consagração, e depois de alguns segundos de adoração em línguas, cantávamos esta canção com tanta alegria e com força, como vocês cantaram hoje. Obrigado! Senti-me em casa!

Agradeço a Renovação no Espírito, o ICCRS e a Fraternidade Católica, por este encontro com vocês, que me dá tanta alegria. Agradeço também a presença dos primeiros que tiveram uma forte experiência do Poder do Espírito Santo, creio que a Patti [Mansfield] esteja aqui… Vocês, Renovação Carismática, receberam um grande presente do Senhor. Vocês nasceram de um desejo do Espírito Santo como uma corrente de graça na Igreja e para a Igreja. É isto que os define: uma corrente de graça.

O primeiro Dom do Espírito Santo, qual é? O Dom de Si mesmo, que é Amor e te faz apaixonar-se por Jesus. E este Amor muda a vida. Por esta razão, se diz “nascer de novo para a vida no Espírito”. Como Jesus disse a Nicodemos (cf. Jo 3,1-10). Vocês receberam o grande Dom da diversidade dos carismas, a diversidade que leva à harmonia do Espírito Santo, ao serviço da Igreja.

Quando penso em vocês, carismáticos, me vem a mesma imagem da Igreja, mas de um modo particular: penso em uma grande orquestra, na qual, cada instrumento é diferente do outro, e também as vozes são diferentes, mas todos são necessários para a harmonia da música. São Paulo nos diz isso, no capítulo 12 da Primeira Carta aos Coríntios.

Portanto, como é uma orquestra, ninguém na Renovação pode pensar em ser mais importante ou maior que o outro, por favor! Porque, quando algum de vocês pensa que é mais importante que o outro, maior que o outro, começa a peste! Ninguém pode dizer: “Eu sou o chefe”. Vocês, como toda a Igreja, tem um só Chefe, “um só Senhor” (1Cor 8,6; Ef 4,5): o Senhor Jesus. Repitam comigo: Quem é o Chefe da Renovação? O Senhor Jesus! Quem é o Chefe da Renovação? [Os participantes repetem] “O Senhor Jesus!” E podemos dizer isso com a potência que nos dá o Espírito Santo, porque ninguém pode dizer: “Jesus é o Senhor”, sem o Espírito Santo (cf. 1Cor 12,3).

Como vocês devem saber – porque as notícias correm –, nos primeiros anos da Renovação Carismática, em Buenos Aires, eu não amava muito esses carismáticos. E eu dizia a eles: “Parecem uma escola de samba!”. Eu não partilhava da maneira deles rezarem e tantas coisas novas que estavam acontecendo na Igreja. Depois disso, eu comecei a conhecê-los e eu finalmente entendi o bem que a Renovação Carismática faz a Igreja. E essa história, que vai desde “escola de samba” para a frente, termina de uma forma especial: alguns meses antes de participar no Conclave, fui nomeado, pela Conferência Episcopal, o assistente espiritual da Renovação Carismática na Argentina.

A Renovação Carismática é uma grande força no serviço do Evangelho, na alegria do Espírito Santo. Você receberam o Espírito Santo que os fez descobrir o Amor de Deus por todos os Seus filhos e o amor pela Palavra.

Nos primeiros tempos diziam que vocês, carismáticos, estavam sempre com uma Bíblia, o Novo Testamento… Vocês ainda fazem isso? [A multidão] “Sim!” Eu não tenho tanta certeza! Se não, voltem a este “Primeiro Amor” (Ap 2,4), sempre levar no bolso, na bolsa, a Palavra de Deus! E ler um trecho. Sempre com a Palavra de Deus.

Vocês, o Povo de Deus, o Povo da Renovação Carismática, tenham cuidado para não perder a liberdade que o Espírito Santo vos deu!

O perigo para a Renovação, como costuma dizer sempre o nosso querido Pe. Raniero Cantalamessa, é a organização excessiva: o perigo de organização excessiva.

Sim, vocês precisam de organização, mas não percam a Graça de deixar Deus ser Deus! “No entanto, não há maior liberdade do que deixar-se guiar pelo Espírito, renunciando a calcular e controlar tudo, e permitir que Ele nos ilumine, nos guie, nos oriente, nos impulsione para onde Ele quer. Ele sabe o que é necessário em todas as épocas e em todos os momentos. Isso significa ser misteriosamente fecundo!”(Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, 280).

Um outro perigo é o de tornarem-se “controladores” da Graça de Deus. Muitas vezes, os responsáveis – eu gosto mais do nome de SERVOS – de algum Grupo ou algumas Comunidades tornam-se, talvez inconscientemente, os administradores da Graça, decidindo quem pode receber a oração da Efusão no Espírito e quem não pode. Se alguém faz assim, por favor, não façam mais isso, não façam mais isso! Vocês são dispensadores da Graça de Deus, e não controladores! Não imponham uma alfândega ao Espírito Santo!

Nos Documentos de Malines, vocês tem um guia, um percurso seguro para não errar o Caminho. O primeiro Documento é: “Orientações teológicas e pastorais da Renovação Carismática Católica” (1975). O segundo é: “Renovação Carismática e Ecumenismo”, escrito pelo Cardeal Suenens, grande protagonista do Concílio Vaticano II. O terceiro é: “Renovação Carismática e serviço ao homem”, escrito pelo Cardeal Suenens e por Dom Hélder Câmara.

Este é o percurso de vocês: evangelização, ecumenismo espiritual, cuidado com os pobres e necessitados e acolhida dos marginalizados. E tudo isso tendo como base a Adoração! O fundamento da Renovação é adorar a Deus!

Me pediram para dizer o que o Papa espera da Renovação.

A primeira coisa é a conversão ao Amor de Jesus que muda a vida e faz do Cristão uma testemunha do Amor de Deus. A Igreja espera esse testemunho de vida cristã e o Espírito nos ajuda a viver a coerência do Evangelho para a nossa santidade.

Espero de vocês que partilhem com todos, na Igreja, a graça do Batismo no Espírito Santo (expressão que se lê nos Atos dos Apóstolos).

Espero de vocês uma evangelização com a Palavra de Deus que anuncia que Jesus é Vivo e ama a todos os homens.

Que vocês deem um testemunho de ecumenismo espiritual com todos os irmãos e irmãs de outras Igrejas e Comunidades cristãs que creem em Jesus como Senhor e Salvador.

Que vocês permaneçam unidos no Amor que o Senhor Jesus pede a nós e a todos os homens, na oração ao Espírito Santo para chegar a esta unidade, que é necessária para a evangelização, em Nome de Jesus. Lembrem-se que a “Renovação Carismática é por sua própria natureza ecumênica… a Renovação Católica se alegra com aquilo que o Espírito Santo realiza em outras Igrejas” (I Malines 5, 3).

Aproximem-se dos pobres, dos necessitados, para tocar neles, nas feridas de Jesus. Aproximem-se, por favor! Procurem a unidade na Renovação, porque a unidade vem do Espírito Santo (cf. Ef 4,3) e nasce da unidade da Trindade. A divisão, vem de quem? Do demônio! A divisão vem do demônio. Fujam das lutas internas, por favor! Entre vocês, elas não devem existir!

Quero agradecer ao ICCRS e a Fraternidade Católica, os dois organismos de Direito Pontifício do Pontifício Conselho para os Leigos, a serviço da Renovação Mundial, empenhados em preparar a reunião mundial de Padres e Bispos, a ser realizada em junho do próximo ano. Eu sei que decidiram compartilhar também o mesmo escritório e trabalhar em conjunto, como um sinal de unidade e para gerenciar melhor os seus recursos. Estou muito satisfeito. Eu também quero agradecer-lhes, porque já estão organizando o Grande Jubileu do 2017.

Irmãos e irmãs, recordem: adorar a Deus, o Senhor! Este é o fundamento! Adorar a Deus. Busquem a santidade na nova vida do Espírito Santo. Sejam dispensadores da Graça de Deus. Evitem o perigo da excessiva organização.

Saiam pelas ruas para evangelizar, anunciando o Evangelho. Recordem que a Igreja nasceu em saída, naquela manhã de Pentecostes (cf. At 2). Aproximem-se dos pobres e toquem neles, nas feridas de Jesus. Deixai-vos guiar pelo Espírito Santo, com liberdade; e por favor, não engaiolem o Espírito Santo! Com liberdade!

Busquem a unidade da Renovação, unidade que vem da Trindade!

E espero todos vocês, carismáticos de todo o mundo, para celebrar, junto com o Papa, o vosso grande Jubileu, em Pentecostes de 2017, na Praça São Pedro! Obrigado!

Enviado por: Robert - Duto Engenharia

Postado por Ricardo Marta Feitosa

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa