terça-feira, 11 de novembro de 2014

Saber viver

Dom Paulo Mendes Peixoto

Dom Paulo Mendes PeixotoArcebispo de Uberaba (MG)

A vida está condicionada ao tempo, mas também ao espaço e a tudo que faz parte normal de seu envolvimento. Como dom, o tempo é oportunidade para a pessoa desenvolver suas atividades e poder realizar obras boas. Para isto, cada indivíduo tem talentos na sua história de vida, que devem ser trabalhados, tendo atitude sábia de discernimento do que é bom ou ruim, e constante vigilância.

Só sabe viver quem consegue ser sóbrio, simples e transparente. Isto ajuda a superar os diversos tipos de necessidades que afetam seu cotidiano. Não é saudável ser omisso na realização do bem, quando isto é possível na vida. Creio que o saber viver está mais centrado no que a pessoa faz pelo outro, do que o que dele recebe. É mais gratificante dar do que receber.
A pessoa nasce, cresce e leva consigo algumas virtudes, ou talentos, que podem ajudá-la no seu viver. Mas devem ser canalizados para finalidades saudáveis na construção do bem. Muitos colocam suas possibilidades a serviço do mal, contribuindo para uma vida infeliz e má. Esconder os talentos é perder oportunidades e cavar a própria derrota.
Em muitas realidades experimentamos situação de fechamento e indiferentismo em relação ao próximo, ao estrangeiro, ao doente, aos marginalizados, aos moradores de rua, aos em situação de necessidade. A acomodação ocasiona individualismo, preocupação com o próprio bem-estar, estres e insensibilidade ao sofrimento alheio.
É preciso fazer render os dons que possuímos. Na cultura moderna temos que ser criativos, evitando a ótica capitalista, porque ela é excludente e legitima os bens econômicos em vista do acúmulo nas mãos dos espertos. Evitar atitudes egoístas é ser corajosos na prática do amor e da justiça. Não enterrar talentos por egoísmo, medo ou comodismo.
No tempo tudo é transitório, tudo passa e há o perigo das mãos ficarem vazias. O que dura são as obras feitas com sabedoria, como expressão do verdadeiro amor. Paulo explica isto dizendo: “O amor jamais passará” (I Cor 13,8). Sabe viver quem consegue abrir-se para essa realidade.
http://www.cnbb.org.br/outros/dom-paulo-mendes-peixoto/15314-saber-viver

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa