terça-feira, 11 de novembro de 2014

Vaticano reconhece virtudes de redentorista que viveu no Brasil









Seis religiosos tiveram reconhecimento de suas virtudes heroicas pelo Vaticano. Entre eles está o sacerdote redentorista, padre Pelágio Saúter, que viveu no Brasil durante anos, em Goiás (GO). Membro da Congregação do Santíssimo Redentor, padre Saúter nasceu em Hausen am Thann (Alemanha) em 9 de setembro de 1878. Faleceu em Goiânia, em 23 de novembro de 1961.

O papa Francisco autorizou a Congregação para as Causas dos Santos a publicar os decretos dos novos veneráveis, o que possibilita, agora, abertura de possível processo de beatificação. O prefeito para a Congregação, cardeal Angelo Amato, recebeu o parecer após audiência privada com o papa, no dia 7.
Foram reconhecidas também as virtudes heróicas do seguintes servos e servas de Deus: Francisco Massimiano Valdés Subercaseaux, da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, Ildebrando Gregori, Abade Geral da Congregação Silvestrina da Ordem de São Bento, Raimondo Calcagno, presbítero da Congregação do Oratório de São Filipe Neri; John Sullivan, sacerdote da Companhia de Jesus; -eanne Mance, leiga, fundadora do Hospital Hotel-Deus na cidade de Montreal; Marte Louise Robin, leiga, fundadora da Associação Focolares da Caridade; Silvio Dissegna, garoto; nascido em Moncalieri (Itália).
Com informações do News.va.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa