segunda-feira, 15 de novembro de 2010

A PRIMAZIA DA ASSEMBLÉIA

Aos recém-batizados das comunidades primitivas, o Apóstolo Pedro escrevia: “...vocês
também, como pedras vivas vão entrando na construção do templo espiritual, e formando um
sacerdócio santo, destinado a oferecer sacrifícios espirituais que Deus aceita por meio de Jesus
Cristo... Vocês são raça eleita, sacerdócio régio, nação santa, povo adquirido por Deus, para
proclamar as obras maravilhosas daquele que chamou vocês das trevas para a sua luz
maravilhosa” (1 Pd 2,5.9).

Reunidos em nome de Jesus, os fiéis gozam da certeza maior de sua presença (Mt 18,20) e
dele recebem o mandato de repetir seus gestos e palavras em sua memória (1 Co 11,23-25),
dando graças ao Pai, de quem procede qualquer dom precioso e qualquer dádiva perfeita (Tg
1,17);
Esta assembléia sacerdotal, manifestação privilegiada do Corpo de Cristo (Rm 12,3-13; 1
Co 12,12-13), deve ser a referência mais importante dos autores, compositores e demais agentes
litúrgico-musicais.
Foram estas convicções elementares que levaram a renovação da música litúrgica
católica a compreender e a insistir no primado da assembléia!
. “Servir à assembléia é a base de toda liturgia verdadeiramente pastoral. Servir não quer
dizer que se satisfaçam não importa quaisquer desejos manifestados na comunidade. Trata-se de
introduzi-la sempre mais, pela fé, no mistério de Jesus Cristo. Mas como fazê-lo sem conhecer a
comunidade, sem levá-la em conta, para que ela, toda ela, se ponha em marcha?”
“Levar em consideração a assembléia celebrante, com suas possibilidades, sua riqueza e
seus limites, é a primeira preocupação de uma liturgia verdadeiramente pastoral. É o caminho
mais seguro para se chegar a uma celebração cheia de vida, significativa e personalizada,
sobretudo quando se trata de música e canto”
( GELINEAU, Canto e Música no culto cristão. Cfr. também SC 27).
E este primado da assembléia se torna, assim um princípio fecundo e rico de múltiplas
conseqüências ou implicações para a música na liturgia:
Servir à assembléia, não a indivíduos ou tendências
A assembléia litúrgica não é apenas a soma dos indivíduos que a compõem. Ela é a Igreja
inteira a se manifestar naqueles que estão reunidos aqui e agora. Aí está o Cristo presente e
agindo. Claro que se trata de pessoas, mas em comunhão, e não, uma ao lado da outra. O que se
quer é servir a essa comunhão entre as pessoas. E essa compreensão mística determina a prática
do agente litúrgico-musical:
Não tem sentido, por exemplo, escolher os cantos de uma celebração em função de
alguns, que se apegam a um repertório tradicional, ou ainda de outros que cantam somente as
músicas próprias de seu grupo ou movimento, nem de outros que querem cantar exclusivamente
cantos ligados à realidade sócio-política, se isto vai provocar rejeição de parte da assembléia.
Pois todos têm o direito de compreender e participar, com gosto, sobretudo os mais desprovidos.
É preciso que se pense em todos, e em cada um na comunhão com os demais;
Não é coisa fácil conhecer as necessidades verdadeiras, as capacidades reais e os gostos
especiais de uma assembléia. O pior que pode acontecer é achar que tudo se resolve entre quem
preside e o regente ou animador do canto. E o melhor será uma prática comunitária e
democrática, onde as pessoas recebem as informações e a formação necessárias em matéria de
liturgia e música, trocam seus pontos de vista, e com critérios e bom senso fazem seu
discernimento, avaliam permanentemente sua prática e vão encontrando a feição musical e
litúrgica da assembléia. E é bom estar atento para o fato de que nem sempre o que se pensa e o
que se diz, coincide com o que se sente e se vive. Nossa escuta tem que ser mais profunda do
que simplesmente perguntar às pessoas o que elas acham, sobretudo porque há toda uma massa
de silenciosos.
2
Integrar a todos
Celebrar com uma assembléia homogênea não é algo que aconteçe sempre, nem parece
ser o mais significativo. É bem mais fácil escolher cantos, música ou coreografia com ou para
uma comunidade monástica, um grupo de jovens, um encontro da Pastoral Operária ou um retiro
de catequistas... Mas não é esse tipo de celebração o que melhor revela a feição católica, isto é,
universal, da Igreja, onde ninguém é mais do que ninguém, onde todos cabem e são acolhidos
com suas diferenças, seus valores e seus dons, para formarem o único Corpo de Cristo.
Normalmente, nossas assembléias litúrgicas são heterogêneas, misturadas. Aí estão, não
apenas indivíduos diferentes, mas segmentos ou grupos diferentes de pessoas, que têm algo de
comum entre si e formam minorias específicas dentro da grande assembléia:
• numa assembléia em ambiente urbano de centro: gente de classe média, gente da periferia,
gente de etnia, cultura, idade e sexo diferentes...
• numa Comunidade de Base da periferia urbana ou de meio rural: crianças da catequese,
adolescentes que se preparam para a Confirmação, grupos diversos (de jovens, de casais, da
pastoral dos enfermos, de idosos, etc).
Sob o pretexto de não se fazer acepção de pessoas, não se pode ignorar essas diferenças
de ordem sócio-psicológica. Optar por uma neutralidade indiferente a tudo isso, com o propósito
de atender a todos por igual, correria o risco de não atingir a ninguém. Pelo contrário, seria
melhor empenhar-se em ir ao encontro de cada situação, tornando-se “servo de todos , a fim de
ganhar o maior número possível” (1 Co 9,19):
⇒ Imaginemos uma assembléia de adultos, na qual há uma presença importante de
adolescentes, a quem os cantos litúrgicos do gosto de seus pais, parecem “cafonas” e
enfadonhos... Sem privar os mais velhos de seus cantos tradicionais, por que não introduzir, em
momentos estratégicos da celebração, cantos litúrgicos de um outro estilo, com os quais os mais
jovens se identifiquem e através dos quais se expressem mais a gosto? Em momentos assim, eles
vão entrar de cheio e toda a celebração, de repente, vai tomar um outro aspecto para eles e, quem
sabe, vai mudar o clima geral da mesma para todos.
⇒ Imaginemos uma igreja freqüentada pela classe média, freqüentada também por gente de
um bairro pobre vizinho, mas onde comparece um grupo de pessoas de cultura erudita em
matéria de música... Seria oportuno incluir na celebração, sem prejuízo do canto da assembléia,
algum momento especial, onde um coral, um órgão ou outros instrumentos poderão proporcionar
um instante de poesia e contemplação, e uma oportunidade de enlevo espiritual para todos os
demais.
⇒ Imaginemos ainda uma comunidade eclesial de base na periferia da cidade, ou mesmo
alguma igreja de centro, onde sempre costuma haver uma presença significativa de negros ou
mestiços: seria bom inserir em toda celebração alguns cantos, alguma música, alguma
coreografia do recente, mas já rico e significativo repertório afro-brasileiro.
Ao garantir-se que as riquezas de cada um, de cada grupo ou minoria sejam colocadas à
serviço de todos, leva-se a sério a assembléia concreta e real. Todo mundo vai se sentir levado
em conta, pelo menos num ou noutro momento com o qual se identifica mais. Cada um vai se
acostumando a reconhecer na assembléia a presença dos demais, a respeitar as diferenças e
prestigiar os valores de cada grupo ou expressão cultural.
Uma outra possibilidade seria, por exemplo, confiar cada celebração à animação de algum
grupo especial:
• às crianças com seus/suas catequistas ou acompanhantes;
• Aos adolescentes, que se preparam para a Confirmação ou participam de grupos, com
seus/suas catequistas ou acompanhantes;
3
• Aos jovens que participam de grupos na comunidade;
• Aos adultos, dos Grupos da Comunidade;
• Ou a algum grupo ligado a uma pastoral ou movimento. Em todo caso, não faz sentido
a celebração dominical a cargo de um determinado grupo: enfraquece a dimensão
comunitária na vida do grupo e empobrece a vida da comunidade.
Em princípio, a celebração será sempre de toda a comunidade. Isto porém, não exclui a
oportunidade de, cada vez, um grupo se manifestar com seu jeito, suas riquezas, seus valores e se
fazer acolher pelos demais. Ao longo da caminhada, todos vão se sentindo contemplados e
valorizados. Todo mundo vai aprendendo a respeitar e valorizar todo mundo. Nada mais católico,
nada mais parecido com a experiência da comunidade cristã primitiva, onde “todos os que
abraçaram a fé eram unidos e colocavam em comum todas as coisas... Louvavam a Deus e eram
estimados por todo o povo” (At 2,44.47).
Contar com os agentes disponíveis
Uma assembléia litúrgica supõe necessariamente tarefas e papéis formais, a serem
desempenhados por agentes previstos de antemão e preparados devidamente para tais papéis ou
tarefas. Deles é que vai depender o desenrolar harmonioso da celebração. E isso é
particularmente evidente quando se trata de canto, música, dança ou coreografia. É do animador
do canto, do coral, dos instrumentistas, do grupo de dança, da capacidade vocal e musical dos
que presidem ou coordenam a celebração, que depende todo o desempenho musical de uma
assembléia. Tem que se levar em conta as possibilidades concretas de cada assembléia, de cada
comunidade e seus agentes ou ministros.
Ter em vista a experiência de fé
A função própria do rito é ser sinal da fé. A celebração cristã da vida é essencialmente
uma celebração da fé. Para que um rito cantado funcione como tal, não basta que a obra seja
executável, que todo mundo cante, que a música seja bonita. É preciso, sobretudo, que o canto, a
música, propicie uma experiência de Jesus Cristo, presente e atuante no meio dos seus, que sua
Palavra seja anunciada e acolhida, que se realize uma comunhão no seu Espírito.
A questão principal e decisiva será sempre: que significa para esta assembléia o fato de
se cantar tal canto, e de cantá-lo desta maneira? Questão particularmente difícil de ser
respondida, cuja resposta sempre nos escapará em parte. Mas de todo imprescindível, pois dela
depende o sentido mesmo do que fazemos, ao nos reunirmos em assembléia para celebrar nossa
vida à luz da fé. Não basta contentar-se com uma bela cerimônia, com haver executado belas
músicas, com haver realizado um encontro agradável. Trata-se mais de haver acolhido em
profundidade a Palavra que liberta e transforma, que faz morrer e reviver, que nos abre para o
Outro e para os outros, segundo o espírito das Bem-Aventuranças!
Tocar, cantar e dançar muita ou pouca música... escolher entre este ou aquele repertório...
não vale igualmente para todo tipo de assembléia. O critério decisivo não será jamais a própria
música, mas a assembléia que se reúne para cantar, tocar e dançar, ao celebrar sua fé.
.O canto litúrgico enraizado na assembléia
Nada mais sem graça e enfadonho do que uma celebração-robô, um “enlatado” litúrgico,
sem o rosto da comunidade que celebra, sem raiz nos acontecimentos que marcam a sua vida,
sem atualidade, fora do tempo e do espaço. Ao pretender agradar a todos, termina sendo de
ninguém. Pelo contrário, onde se tem experiência de uma celebração significativa e interessante,
há sempre por trás uma equipe de celebração, capaz de encontrar, com a assembléia por ela
animada, o seu próprio estilo. Mas para chegar-se a este ponto não basta a personalidade de quem
preside, a qualidade do coral, a competência dos instrumentistas, a riqueza de um repertório ou a
escolha acertada dos cantos... É preciso que haja uma certa coerência entre as pessoas e as ações;
um ajustamento percebível entre a arquitetura e o jeito de celebrar, entre as mensagens e a
música, entre a cultura e a fé dos participantes. É preciso, sobretudo, uma profunda harmonia
4
entre aquele que preside, os demais ministros, o (a) regente ou animador(a) do canto, o coral, os
instrumentistas e o povo.
É justamente por isso que as assembléias que se exprimem com cantos criados dentro
delas e para elas - para um tal público, tais intérpretes, tais instrumentos, tal espaço, tal
arrumação - parecem muito mais autênticas e cheias de vida. E não é por nada que das
composições recentes, as melhores, são quase sempre as que surgem de uma assembléia
particular ou de uma circunstância especial. Elas se enraízam num tempo ou num espaço
determinados... elas têm húmus. A tradição do “Cantor”, que compõe para as celebrações de sua
comunidade, é ,sem dúvida, a hipótese mais interessante. Da mesma forma, o instrumentista,
capaz de improvisar em certos momentos de uma determinada celebração... ou o salmista,
encontrando, em determinada circunstância, o jeito melhor de salmodiar ou cantilar.
Se essa for, então, a nossa compreensão do afazer litúrgico, consequentemente teremos
que admitir como positiva e desejável a mais ampla e rica diversidade em matéria de desempenho
musical de nossas assembléias. É necessário e suficiente garantir os elementos essenciais da
celebração cristã e alguns cantos comuns, especialmente no âmbito de uma mesma região
cultural, de modo a permitir que os que aí chegam de passagem, consigam se situar na celebração
local. Nada a temer, nada a perder, se cada assembléia tem sua personalidade musical, como cada
pessoa tem seu rosto, seu semblante, desde que se possa reconhecer sob traços tão diferentes, o
único semblante da Esposa de Cristo, a sua Igreja.
• O primado da Assembléia, com todas estas implicações, questionam sob algum aspecto sua
prática como autor, compositor ou agente litúrgico-musical?
• Ao prestar o seu serviço musical, sua preocupação maior é servir ao conjunto, levando em
conta os gostos e o jeito de ser de cada uma das das minorias aí presentes?
• Você utiliza toda a riqueza de seus talentos, tendo bem presente as reais possibilidades da
Assembléia para quem você compõe ou presta algum outro tipo de serviço litúrgicomusical?
• Você se preocupa em aprofundar sua experiência de fé, de tal maneira que sua arte e seu
serviço musical, ao brotarem de uma tal experiência, possa alimentar a fé de sua
comunidade?
• Você é dos que se alegram com a variedade da vida, ou parte para uma uniformidade, que
empobrece e sufoca?
• Ficou clara para você a resposta à pergunta “Quem canta, toca e dança na celebração
litúrgica?”
(Extraído do Doc. 7 - CNBB : PASTORAL DA MÚSICA LITÚRGICA NO BRASIL. Texto de estudo)

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Reflexão

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça

CNBB - Imprensa